sábado, 10 de setembro de 2011

Medula óssea

Clique na imagem para ampliar


População de Araraquara poderá se cadastrar, em outubro, no Banco de Doadores

Prefeitura lança a 1º Campanha de Cadastramento de Doadores de Medula Óssea de Araraquara. A campanha é realizada pelo Hospital de Câncer de Barretos (Fundação Pio XII), com a Secretaria de Saúde e Hemonúcleo Regional de Araraquara-Unesp.

A preocupação é sensibilizar, conscientizar e divulgar o processo de doação e assim aumentar cadastrados no Registro Nacional de Doadores de Medula Óssea (Redome). " Nosso grande desafio é engajar a população, através de seu espírito solidário, a fim de conseguir número expressivo de cadastros" , afirmou Barbieri. Para a Dra. Regina Barbieri Ferreira a campanha tem o respaldo da Rede Básica de Saúde para esclarecer à população sobre o processo de cadastramento. " As enfermeiras e agentes comunitários foram capacitados para esclarecer sobre o processo de cadastramento. Precisamos nos mobilizar para que Araraquara seja exemplo de humanização e respeito à vida ao participar desta campanha" .

Esperando

Atualmente cerca de dois mil pacientes aguardam doação de medula compatível sendo a chance de encontrar um doador não-aparentado, em âmbito nacional, de uma em cem mil.

" Realizamos esse trabalho desde 2005, temos 2 milhões e 300 mil pessoas cadastradas no Redome, mas, ainda é um número baixo em razão da miscigenação de raças que encontramos no Brasil" , explicou a coordenadora do Departamento de Captação de Medula Óssea do Hospital de Câncer de Barretos, Naima Khatib.

Cadastro

Campanha de Cadastramento acontecerá de 3 a 8 e 24 a 29 de outubro. Haverá postos de cadastro espalhados pela cidade. O candidato a doador precisa ter entre 18 e 55 anos e boas condições de saúde; preencher um cadastro com dados completos e coletar uma pequena amostra de sangue (10ml) para identificação da tipagem genética, HLA.

Aprovação

Caso o doador seja compatível com paciente à espera de transplante, será realizada uma avaliação clínica para certificar o estado de saúde e se realmente ele pode ser doador de medula óssea. A doação será feita no centro de transplante mais próximo do doador e a medula vai congelada até ao paciente.

A doação é segura e as células se refazem rapidamente, como na doação de sangue. Só não podem doar portadores de doenças oncológicas em tratamento com quimioterapia e radioterapia, e portadores do vírus HIV positivo.

Durante o lançamento da campanha, o coordenador do Hemonúcleo Regional da Unesp de Araraquara, Paulo Inácio da Costa, informou que o local será um posto permanente de cadastro para captação de doadores de Medula Óssea.


http://www.jornaldeararaquara.com.br/index.pas?codmat=54260&video=

*

Nenhum comentário:

Postar um comentário