sábado, 29 de dezembro de 2012

Doações de sangue diminuem em janeiro

Doações de sangue diminuem em janeiro


Dezembro foi o melhor mês em número de doações durante todo o ano no Hemocentro Regional de Lages.  No entanto, janeiro foi o pior mês, o que deve se repetir no próximo ano, pois muitas pessoas tiram férias e saem da cidade e há uma baixa muito grande.


A média de doações no ano foram de cerca de 800 coletas ao mês. Em dezembro foram coletadas 1032 bolsas superando a meta mensal, isso se deve principalmente às doações que aconteceram na semana no doador de 26 a 30 de novembro que foram computadas em dezembro. Uma média nacional aponta que de mil candidatos, 20% não fazem a doação, por inúmeros motivos. De dezembro  até o carnaval a maioria das bolsas coletadas em Lages são enviadas para o litoral, já que o banco de sangue é integrado em todo o Estado. “Nesse período a utilização das bolsas em Lages é pequena, somente quando acontece alguma tragédia. Como Lages está no centro do estado, há uma grande responsabilidade e são enviadas bolsas para várias cidades”, explica o coordenador de qualidade do Hemosc, Maurício Hermes. 


Em outubro e novembro com a greve da saúde no Estado, Lages supriu a demanda de algumas cidades, pois muitas cirurgias foram canceladas e cerca de 25% das bolsas coletadas na cidade são destinadas para o Hospital Tereza Ramos. 


O ano foi considerado bom, pois em 2011 houve meses com apenas 400 doações, o que não se repetiu neste ano. Entretanto, o apelo do Hemosc é que as doações sejam mais constantes e  há sempre a procura por novos doadores. “Os doadores de sangue negativo são os mais raros e por isso os mais difíceis de conseguir”, lembra Maurício.­


Para doar é preciso


• Ter entre 16 e 67 anos
• Jovens com 16 e 17 anos dever estar acompanhados de um responsável legal
• Idade máxima de 60 anos para a primeira doação
• Pesar mais de 50kg
• Sentir-se bem e com saúde
• Estar alimentado
• Apresentar documento com foto, emitido por órgão oficial


Não pode doar sangue quem


• Fez cirurgia recentemente
• Estiver em jejum prolongado ou ingeriu alimentos gordurosos nas últimas 4 horas
• Tomou bebida alcoólica há menos de 12 horas
• Fez endoscopia nos últimos seis meses
• Fez tatuagem ou colocou piercing nos últimos 6 meses
• Teve gripe ou febre nos últimos 7 dias
• Teve hepatite viral após 11 anos de idade
• Estiver grávida ou amamentando
• Usa determinados medicamentos/drogas
• Teve contato sexual com múltiplos parceiros nos últimos 12 meses
• Não tiver dormido pelo menos 6 horas na noite anterior à doação.


Homens


• Podem doar sangue em um intervalo de 2 meses, não ultrapassando 4 doações por ano
Mulheres
• Podem doar sangue em um intervalo de 3 meses, não ultrapassando 3 doações por ano.
 

Saúde envia torpedos para população doar sangue


Inovação. Até o início de 2013, residentes do Estado de São Paulo devem ser convocados a doar sangue por meio de torpedos. A ação, que só atingirá os clientes da operadora Claro, faz parte da campanha “Não dê férias para a doação de sangue”, da Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo. Cerca de 15 milhões de pessoas devem receber as mensagens.

Segundo o órgão, o objetivo da iniciativa é garantir os estoques nos hospitais em uma época em que costuma haver aumento no número de acidentes e, com isso, um grande volume de atendimentos de emergência e cirurgias que necessitam de transfusões de sangue. A mensagem também indicará o site da Secretaria, onde é possível consultar o endereço de mais de 100 postos de coleta em todo o Estado.

Em Rio Preto, a partir de janeiro, os números apontam queda de 30% no estoque de sangue, pois muitas pessoas saem para viajar e também estão sujeitas à riscos de acidentes. Para doar sangue basta ter entre 16 e 67 anos, estar em boas condições de saúde, estar alimentado, pesar mais de 50 kg e levar documento de identidade original com foto.

É recomendável evitar alimentos gordurosos nas quatro horas que antecedem a doação e, no caso de bebidas alcoólicas, 12 horas antes. Se a pessoa estiver com gripe ou resfriado, não deve doar temporariamente. Quem for menor de idade deve ir acompanhado dos pais.

Para incentivar doações, o Hemocentro de Rio Preto enviar cartas e faz ligações para pessoas cadastradas no local. A instituição fica na avenida Jamil Feres Kfouri, nº 80, no Jardim Panorama, e funciona de segunda à domingo das 7h às 13h. A sede de Catanduva fica na rua 13 de maio, nº 974, no Centro, e está aberta de quarta a domingo, no mesmo horário.

Para ter informações sobre a campanha e postos de doações, acesse o site da Secretaria de Saúde do Estado de São Paulo 

INCA precisa de doações de sangue durante festas de fim de ano



Durante o período de festas de fim de ano, o estoque do Banco de Sangue do Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (INCA) fica reduzido a quase 50% por conta da baixa procura de doadores.
Para doar, é necessário ter entre 16 e 67 anos de idade (lembrando que os menores de 18 anos precisam estar munidos de autorização dos pais), pesar mais de 50 kg, estar em boas condições de saúde e evitar alimentos gordurosos no dia da doação. Também é importante ter em mãos a carteira de identidade (RG).
O Banco de Sangue do Instituto fica na Praça Cruz Vermelha, 23, 2º andar, Centro. O horário de funcionamento vai das 7h30 às 14h30, de segunda à sexta-feira. Aos sábados, o período é de 8h às 12h.
Fonte: INCA

São Paulo faz campanha para recrutar doadores de sangue no fim do ano

A Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo está novamente em campanha para recrutar doadores de sangue neste fim de ano. Em média, nesta época do ano, as doações chegam a cair até 30% no Estado e hospitais estão com os estoques baixos. O objetivo da iniciativa é garantir os estoques nos hospitais em uma época em que costuma haver aumento no número de acidentes e, com isso, um grande volume de atendimentos de emergência e cirurgias que necessitam de transfusões de sangue.


Com o slogan "Não dê férias para a doação de sangue" a secretaria começou a disparar cerca de 15 milhões de torpedos (SMS) para os clientes em todo Estado para convocá-los a doarem sangue durante o período das festas. As mensagens serão encaminhadas até o início de janeiro.
Além de incentivar a doação de sangue, a mensagem também indicará o site da secretaria, onde é possível consultar o endereço dos mais de 100 postos de coleta de todo o Estado e o horário de funcionamento das unidades, inclusive no feriado prolongado de Ano Novo. 
"A doação de sangue é fundamental o ano inteiro. Porém, neste período de festas de fim de ano, este ato de solidariedade torna-se ainda mais necessário para evitar a redução dos estoques neste período e também no início do próximo ano", afirma Osvaldo Donini, coordenador da Hemorrede da Secretaria.
Veja quem pode doar sangue:
- Aspecto saudável e declaração de bem-estar geral; 
- Idade entre 18 anos completos e 67 anos, 11 meses e 29 dias. Podem ser aceitos candidatos à doação de sangue com idade de 16 e 17 anos, com o consentimento formal do responsável legal. E, em caso de necessidades tecnicamente justificáveis, o candidato cuja idade seja inferior a 16 anos ou superior a 68 anos somente poderá ser aceito após análise pelo médico do serviço de hemoterapia. 
- Peso mínimo de 50 kg.

terça-feira, 25 de dezembro de 2012

Um sucesso o transplante de medula óssea do pequeno Caio em São Paulo

O pequeno Caio.(Imagem:Divulgação)

O pequeno Caio, de apenas 04 anos, já realizou o tão sonhado transplante de medula óssea em São Paulo e está super bem. A família do menino agradece a todas as pessoas que colaboraram com a realização do transplante, tanto financeiramente como através de orações. A história de Caio ficou conhecida após uma grande mobilização nas redes sociais para a realização do seu transplante, com a campanha Ajude Caio. 

FONTE>>http://www.tvcanal13.com/blogs/um-sucesso-o-transplante-de-medula-ossea-do-pequeno-caio-em-sao-paulo-35702.html

Leucemia Linfocítica Crônica


A Leucemia Linfocítica Crônica ( LLC) é o tipo de câncer sangüíneo  mais comum em adultos. A maioria das pessoas com LLC estão acima de 50 anos de idade, resulta de dano genético adquirido no DNA de uma única célula na medula óssea. As células doentes substituem a medula óssea normal com um crescimento incontrolável de blastos (células iniciais da linhagem) de características linfoides.
Muitos pacientes com LLC fazem o diagnóstico após um check-up de rotina, quando, durante o exame físico, é encontrado um nódulo linfático (íngua) ou baço aumentado, ou quando o hemograma mostra um número de linfócitos (seta na figura) mais alto que o normal. Pode haver perda de peso e presença de infecções recorrentes na pele, na urina, nos pulmões e em outros locais.
As células linfáticas das LLC vivem mais do que linfócitos normais. Com o passar do tempo, estas células ficam em maior número do que as células sangüíneas saudáveis no sangue, nos nódulos linfáticos e na medula, causando aumento dos nódulos linfáticos, do baço ou ambos, causado pela invasão das células doentes nesses órgãos.
Diagnóstico
O diagnóstico da Leucemia Linfóide Crônica é feito por meio do exame de sangue (hemograma). Para confirmação do diagnóstico é necessária avaliação medula óssea ( mielograma), ou biópsia de medula ósseo com os exames de imunofenotipagem* e citogenética**.
*Imunofenotipagem – A imunofenotipagem pode mostrar se a LLC começou com um dos subtipos de linfócito: célula B ou célula T. A célula B é mais comum.
**Citogenética – A citogenética avalia as normalidades cromossômicas das células blásticas auxiliando na classificação da doença e no planejamento do tratamento.
Tratamento
Muitas pessoas com LLC possuem uma LLC de baixo-risco, ou seja,  não apresentam sintomas por muitos anos, com pequena ou nenhuma mudança em suas rotinas diárias. A esses pacientes o mais importante é convece-lo da não necessitadade de medicação oncológica e somente acompanhamento médico regular. À medida que o tempo passa, os resultados dos exames e dos testes laboratoriais irão ajudar o médico a decidir sobre quando iniciar o tratamento.
Critérios para início do tratamento
Número de células LLC está mais alto do que estava o exame anterior
Número de células normais está mais baixo do que estava o exame anterior
Nódulos linfáticos aumentaram desde a última consulta
Baço aumentou desde a última consulta
Formas de tratamento
1. Quimioterapia: é um tratamento com drogas que danificam as células cancerígenas. Algumas drogas são ministradas via oral, outras drogas são ministradas através da veia.
2. Imunoterapia: é um tratamento que usa as próprias defesas do organismo para combater a LLC. A terapia de anticorpo monoclonal é um tipo de imunoterapia.
3. Transplante de células tronco hematopoéticas (TCTH): é um tratamento para restituir as células saudáveis da medula óssea de um paciente.
4. Radioterapia: é um tratamento com raios de alta-energia. A radioterapia não é um tratamento comum para LLC.
5. Esplenectomia: é a retirada cirúrgica do baço, tipo de cirurgia usado em um pequeno número de pacientes com LLC. Se o baço estiver muito aumentado com muitas células doentes, pode causar desconforto e baixar as contagens de células sangüíneas a níveis perigosos (fenômeno do hiperesplenismo).

Hit no YouTube, vídeo de pacientes faz doação de medula crescer 180%


"O que não te mata, faz você mais forte!". A mensagem entoada no refrão da música Stronger, da cantora americana Kelly Clarkson, serviu de pano de fundo para um vídeo que tem como objetivo incentivar a doação de medula óssea no Brasil.
O material, de 3m42s de duração, tem como personagens pacientes em tratamento de câncer (especialmente linfomas e leucemias) no Hospital Nossa Senhora das Graças, de Curitiba. Participam também voluntários, familiares, funcionários e médicos da unidade.
O vídeo foi ao ar no YouTube no dia 15 de outubro e já foi visto por quase 540 mil pessoas, o que fez o objetivo ser atingido rapidamente - o número de doadores de medula no hospital cresceu 180%: passou de cerca de 180 por mês para mais de 500.
"A repercussão foi muito grande e muito maior do que podíamos imaginar", diz o médico Paulo Tadeu Rodrigues de Almeida, coordenador do Hemobanco de Curitiba e do Instituto Pasquini, responsável pelos transplantes que são feitos no hospital.
Inspiração. A ideia de fazer o vídeo surgiu dos irmãos Hermes Lima Ribeiro, voluntário no processo do transporte da medula óssea, e Lisando Lima Ribeiro, hematologista pediátrico do hospital. Em julho, Hermes estava em Nova York para buscar uma medula para uma paciente. Por lá, a música Stronger era o hit mais tocado nas rádios.
Hermes ficou com a música na cabeça. Resolveu pesquisar e se surpreendeu ao ver que os dois primeiros vídeos eram o clip da cantora e um feito por pacientes com câncer do Seattle Childrens Hospital, nos EUA. "Eu não tinha ideia de que a música tinha inspirado um vídeo dentro de um hospital de câncer. Mostrei para o meu irmão e ele topou fazermos um vídeo igual."
A ideia foi bem recebida. Crianças e adultos decoraram a letra. A gravação das imagens foi feita por voluntários durante três dias em semanas distintas - a intenção era conseguir reunir o máximo possível de pacientes. "O estado de saúde dos pacientes oscila muito e todos queriam participar. A produção passou a fazer parte da vida deles", diz Hermes.
Kauanny Falavinha Sutil, de 12 anos, é uma das pacientes que participou - ela é a menina que abre e encerra o vídeo, escrevendo a mensagem "Doe Medula Óssea" em uma cartolina.
Kauanny tem um tipo severo de leucemia, precisou com urgência de um transplante, mas não encontrou doador no País. Conseguiu uma bolsa de sangue de cordão umbilical compatível nos EUA, fez o transplante, mas a medula "não pegou".
Se não arrumasse outro doador, poderia morrer. Sem alternativa, sua mãe doou a medula e ela passou por um tipo de procedimento ainda muito novo, chamado haploidêntico, em que só há 50% de compatibilidade entre paciente e doador. Deu certo.
Para Kauanny, a importância de incentivar a doação de medula óssea é aumentar a chance de conseguir um doador compatível - as chances são 1 em cada 100 mil doadores. "Adorei participar do vídeo, só fiquei um pouco nervosa e envergonhada."
Mãe de uma menina de 5 anos, Angelita Pereira Alves, de 35 anos (a moça carequinha que aparece vestindo pijama), também tem leucemia e topou participar. Ela passou por ciclos de quimioterapia, fez a doença regredir e, por enquanto, não precisará do transplante. "A causa é muito maior. Não conhecia a música, precisei improvisar. Fiquei empolgada, dei até uma dançadinha para descontrair. Amei."

domingo, 23 de dezembro de 2012

Papai Noel visita crianças no setor pediátrico do HC em Botucatu, SP


Mais de 40 crianças ganharam presentes do bom velhinho.
Festa reuniu pais dos pacientes e os funcionários do hospital. 



Papai Noel entrgou presentes para crianças do setor de pediatria (Foto: Divulgação/ Lucas Machado)


Papai Noel alegrou a tarde de crianças internadas no setor de pediatria do Hospital das Clínicas de Botucatu (SP) neste final de semana. A festa de final de ano reuniu os pequenos, os pais dos pacientes e funcionários do setor.

Presentes, doados por funcionários e voluntários que colaboram com a realização da festa, foram distribuídos para 44 crianças que estão internadas no setor atualmente. A festa teve ainda sorvete, doces, refrigerante, cachorro quente, pipoca, algodão doce, crepe, bolo de cenoura e outras guloseimas. Além disso, os jovens Lucas e Gabriela Miranda foram os responsáveis pela animação musical do evento.
Mais de 40 crianças participaram da festa (Foto: Divulgação/ Lucas Machado)Mais de 40 crianças participaram da festa
(Foto: Divulgação/ Lucas Machado)
Um pouco mais tarde, o Papai Noel chegou ao quiosque do setor, para completar a alegria dos presentes com a entrega de brinquedos e uma sacolinha com mais guloseimas. O “Bom Velhinho” também passou pelos quartos, visitando os pacientes que não puderam se dirigir até o quiosque.

Hemocentro de Marília faz campanha para atrair doadores de sangue


Nesta época do ano muita gente viaja e deixa de doar sangue. E os estoques dos hemocentros da região Centro-Oeste acabam ficando abaixo do ideal, o que deixa a todos em alerta. As doações diminuem em até 30%. Em Marília, a Secretaria de Saúde do Estado está com uma campanha para mobilizar as pessoas para que doem sangue antes das festas, período em que os acidentes aumentam bastante nas rodovias do estado.
“Nesta época as pessoas costumam se envolver mais com compras, com presentes, com festas e acabam deixando a doação para outra época. E na verdade a gente precisa reverter esse quadro. Em Marília nós fazemos contatos por telefones, por cartas e nas últimas semanas enviamos uma média de 3 mil cartas por semana”, informou a assistente social, Daiane Galetti.
De acordo com ela, a preocupação é para com todos os sangues. “Precisamos de todos os tipos de sangue, mas estamos com um alerta com o tipo ‘O’ negativo, porque ele pode ser usado em todos os outros”, alertou.
Confira os endereços dos principais pontos na região:
Hemocentro Regional de Marília – Rua Lourival Freire, 240, no Jardim Fragata. Mais informações pelos telefones (14) 3402-1868 e 3402-1866. Nos dias 25 de dezembro e 1º de janeiro o local estará fechado. Nos dias 24 e 31, o funcionamento será das 7h às 12h. Nos demais dias o horário será normal.

Hemonúcleo de Bauru – Rua Monsenhor Claro, 888, no centro. O atendimento é de segunda à sexta-feira, das 7h às 11h30 e das 14h às 16h. Outros detalhes podem ser obtidos pelo telefone (14) 3104-3518.

Hospital Amaral Carvalho de Jaú – Rua das Palmeiras, 87. Informações pelo telefone (14) 3601-1381.

Hemocentro de Botucatu – Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (Unesp / Faculdade de Medicina de Botucatu - Divisão de Hemocentro), no Distrito de Rubião Júnior, s/n. Outros detalhes pelo telefone (14) 3811-6041.

Local deixou à disposição várias guloseimas para os voluntários (Foto: Reprodução TV Tem)

sexta-feira, 21 de dezembro de 2012

HEMOSC-cronograma coleta aos sábados



cronograma coleta aos sábados
05/01/2013 - Hemocentro de Florianópolis
Horário: 08:00 às 12:30 horas.
 
05/01/2013 - Hemocentro Regional de Blumenau
ABERTO TODOS OS SÁBADOS DO ANO
Horário: 8h15 às 11h.
 
12/01/2013 - Hemocentro Regional de Lages
Horário: 8h às 12h


24/01/2013 - Catanduvas
Dia 24 de Janeiro 2013
Local: Coleta em Catanduvas (local a definir)
Horário: Das 08h às 11h e das 13h às 17h (ou enquanto tivermos senhas).

FONTE>>http://www.hemosc.org.br/

Cruz Vermelha do Japão dará brindes de Naruto a doadores de sangue



A Cruz Vermelha japonesa anunciou ontém que começará uma nova campanha de doação de sangue, em conjunto com anime Naruto Shippuden, nas áreeas de Kanto e Koshinetsu no dia 22 de dezembro. A área inclui as cidades de Tóquio Kanagawa, Chiba, Saitama, Gunma, Tochigi, Ibaragi, Yamanashi, Nagano, e Niigata. Os doadores que forem membros do clube de doação de sangue (você pode fazer sua carteira no dia que for doar) entre 16 e 26 anos poderá receber um poster do Naruto (imagem abaixo) mais um entre três brindes (duas canecas e um bloco de anotações). A campanha será feita entre os dias 22 de dezembro de 2012 e 21 de março de 2013. Se for visitar o Japão durante o período da campanha, é uma boa chance de conseguir uns itens de merchandising oficiais.
Fonte: Crunchyroll(http://www.crunchyroll.com/anime-news/2012/12/09/japan-red-cross-to-give-blood-donors-naruto-poster-and-goods)

Amanhã é o último dia da campanha de doação de sangue do ano


Neste sábado, 22 de dezembro, das 9h às 12h, vai ser realizado a última campanha de doação de sangue do ano em parceria com o Centro de Hematologia e Hemoterapia da Unicamp (Hemocentro).
De janeiro a outubro deste ano a campanha recebeu 1.356 candidatos e foram coletadas 1.023 bolsas de sangue. Por sábado, aproximadamente 140 pessoas passam pelo posto de doação, lembrando que a campanha é realizada um sábado por mês e em novembro não teve coleta. 
Para ser um doador é obrigatória a apresentação de documento oficial com foto; ter entre 16 (dos 16 até 18 anos incompletos, apenas com consentimento formal dos responsáveis) e 67 anos, 11 meses e 29 dias; não estar em jejum; evitar apenas alimentos gordurosos nas quatro horas que antecedem a doação. A doação respeita os critérios técnicos e não traz qualquer tipo de risco ao doador.
Não poderá ser doador o candidato que estiver fazendo algum tipo de tratamento, usando medicamento, estiver com gripe, ter tomado a vacina contra a gripe comum há menos de 30 dias, não tiver parceiro (a) fixo (a), pesar menos de 50 quilos, tiver feito endoscopia há menos de um ano, tiver piercing ou tatuagem também há menos de um ano, for diabético, se tiver ingerido bebida alcoólica na noite anterior, fumar horas antes, etc.
No dia, também é feito o cadastramento de candidatos para doação de medula óssea.

Hospital Evangélico necessita de doações de sangue

O Hospital Evangélico de Curitiba necessita de doadores de sangue de qualquer tipo. O estoque de vários tipos sanguíneos está abaixo do necessário e o centro médico pede a ajuda de doadores para reforço em caráter de urgência. 

Para doar é necessário levar documento de identidade e estar bem alimentado. O doador deve ter entre 18 e 65 anos e pesar mais que 50 kg. As doações são feitas no Hemobanco de Curitiba. Ao chegar ao local de doações, a pessoa interessada deve informar que a doação é para o Hospital Evangélico. 

Serviço: 

HEMOBANCO 
Rua: Capitão Souza Franco, 290 
Horário de atendimento: 8h às 19h, de segunda a sábado 
Fone: 3023-5545


fonte>>http://www.bonde.com.br/?id_bonde=1-27--139-20121220

Conceição começa cadastro de doadores de medula óssea


Hospital irá convidar quem for doar sangue a integrar o registro

O Grupo Hospitalar Conceição (GHC) começou nesta sexta o cadastro de doadores de medula óssea. Os dados vão integrar o Registro Nacional de Doadores Voluntários de Medula Óssea (Redome) que já possui 3 milhões de pessoas cadastradas em todo o país. O coordenador das Comissões Intra-Hospitalares de Doação de Órgãos e Tecidos para Transplante do GHC, Augusto Capelletti, disse que quem for doar sangue no hospital será convidado a integrar o cadastro da medula.

O lançamento ocorreu no Banco de Sangue do hospital, no dia de encerramento de 4ª Semana Nacional de Incentivo à Doação de Medula Óssea, e contou com as presenças do diretor-superintendente do GHC, Carlos Eduardo Nery Paes, e do deputado federal Beto Albuquerque (PSB), autor da Lei Pietro, que há três anos vem incentivando a doação de medula e o de esclarecimento da população sobre o assunto.

Segundo Capelletti, o cadastro de funcionários do hospital que queiram ser doadores de medula termina no dia 15 de janeiro. “A partir do dia 16, vamos abrir para o público em geral”, destaca. A nossa meta é cadastrar cerca de 130 doadores por mês. De acordo com Capelletti, o Rio Grande do Sul possui um média de mil casos novos por ano de leucemia. “No Brasil, estamos conseguindo realizar em torno de 250 transplantes por ano. No Estado, temos com certeza cerca de cinco mil pessoas aguardando um transplante de medula”, ressalta.

Para Albuquerque, o Rio Grande do Sul por ser um Estado com grande miscigenação favorece a busca por doadores compatíveis. “Precisamos aumentar o número de doadores para enfrentar os cerca de mil casos novos de leucemia existentes no RS”, acrescenta. Segundo Albuquerque, o que se precisa neste momento não é a doação, mas sim o cadastro. 

quarta-feira, 19 de dezembro de 2012

BANCO DE SANGUE DE BARRA DO BUGRES PRECISA DE DOADORES

Semana de incentivo à doação de medula óssea mobiliza militares


Evento iniciou na nesta sexta-feira na 17ª Brigada, em Porto Velho.
Foi registrado um aumento de 300% no índice de cadastro, diz coordenador.


Militares participaram da doação de sangue (Foto: Halex Frederic/G1)

A Semana de Mobilização Nacional para Doação de Medula Óssea começou nesta sexta-feira (14) na 17ª Brigada de Infantaria de Selva em Porto Velho e mobilizou inúmeros militares a fazer o cadastramento para serem doadores das células. O objetivo da Semana é elevar o número de cadastrados no Registro de Doadores de Medula Óssea (Redome), fazendo com que a compatibilidade seja facilmente encontrada entre os receptores da medula óssea. A iniciativa encerra no dia 21 deste mês.

A ONG Amigo do Transplante de Medula Óssea (ATMO) visitou a Base Aérea de Porto Velho (BAPV) no início desta semana, realizando palestras de conscientização e a coletando de sangue para o cadastramento de doadores. A Semana continuará na segunda (17) e terça-feira (18) no 5º Batalhão de Engenharia e Construção (BEC) Militar.
Realizada pela ATMO juntamente com a Fundação Hemocentro de Rondônia (Fhemeron), a Semana tentará esclarecer à população de Rondônia sobre o procedimento do cadastro e da doação de medula óssea. "As pessoas têm medo do desconhecido. O indivíduo acha que vai doer, ter algum problema de saúde ou até morrer. A quebra deste medo é um dos nossos intuitos", conta Lindberg Oliveira, coordenador da ATMO na capital.
A busca da medula compatível é feita primeiramente entre irmãos, o que se estima 25% de chances de encontrar. Caso não ache, a procura passa ser feita entre primos e tios e reduz as chances para menos de 5%. "Esta semana serve ampliar o quadro de doadores e fidelizar os que já estão cadastrados", explica o coordenador da ATMO.
O médico Karley Rodrigues afirma que não há nenhum perigo no cadastramento ou transplante da medula óssea tanto para quem doará ou quem receberá as células. Karley diz que é feito uma triagem rigorosa nos receptores e doadores antes de realizar o processo. "Nunca foi registrado nenhuma situação de efeitos colaterais a ponto de ter algum problema de saúde. Então os riscos são praticamente nulos", garante o médico.
Cadastramento e a doação da medula só podem ser feito entre pessoas de 18 a 54 anos (Foto: Halex Frederic/G1)Cadastramento e a doação da medula só podem
ser feitos entre pessoas de 18 a 54 anos
(Foto: Halex Frederic/G1)
Lindberg conta que no Brasil são cerca de três milhões de cadastrados no Redome eRondônia ajudou a preencher esta estatística com quase 62 mil cadastrados no banco de doadores. O coordenador da Redome no estado e representante da Fhemeron, Dimarães da Silva, diz que, em comparação com 2011, teve um aumento de quase 300% no número de cadastros.
Em 2012, já foi contabilizado cerca de cinco mil cadastros em Rondônia. "Mesmo que seja números altos, ainda é muito pouco para tamanha demanda", ressalta Lindberg.
O cadastramento e a doação da medula só podem ser feitos entre pessoas de 18 a 54 anos, que não tenham Aids ou câncer. O cadastro é feito com uma retirada de cinco mililitros de sangue e o preenchimento de informações pessoais.

MEDULA ÓSSEA 66 transplantes feitos em 5 anos

Até o momento, no Estado do Ceará, 25 procedimentos já foram realizados. Tempo de espera é de 60 dias
O Ceará comemora em 2012 mais um recorde de transplantes de medula óssea, com o total de 66 procedimentos realizados, do ano de 2008 até hoje. A redução do tempo de espera pelo transplante no Estado, que é hoje de 60 dias, é um dos fatores que contribui para o aumento desse número. No Brasil, esse tempo de espera caiu de um ano, em 2004, para seis meses, no ano de 2010.
Para esclarecer sobre a questão, o Hemoce participa da mobilização nacional para a doação de medula óssea até o dia 21 de dezembro FOTO: ALEX COSTA

No Ceará, foram três procedimentos realizados em 2008, sete em 2009, 14 em 2010, 17 em 2011 e em 2012, até o momento, 25 transplantes. O Estado conta, hoje, com cinco pacientes na fila de espera. Em todo o Brasil, são 1.200 pessoas esperando para a realização do transplante de medula óssea.

Corpo
A medula óssea é um líquido armazenado dentro de alguns ossos do corpo e tem como função a produção das células do sangue. O transplante de medula óssea funciona como um tipo de tratamento para algumas doenças que afetam as células do sangue, a exemplo disso, a leucemia e o linfoma, e que consiste na substituição de uma medula óssea doente por células normais de medula óssea, com o objetivo de reconstituição de uma nova medula saudável.

O transplante autólogo, quando o paciente recebe células sadias da própria medula, é realizado pelo Centro de Hematologia e Hemoterapia do Ceará (Hemoce), em parceria com o Hospital Universitário Walter Cantídio.

Já a partir de 2013, será solicitado o credenciamento para a realização do transplante alogênico, quando a unidade de transplantes de medula óssea do Hospital Universitário passar dos quatro leitos existentes atualmente para oito. Nesse tipo de procedimento, a medula vem de um doador. O Banco de Sangue Umbilical e Placentário do Ceará, no Hemoce, conta com 30 amostras preservadas, 27 já disponíveis para transplante, o que corresponde a um percentual de 90%, bem acima da média nacional, que é de 50%. Para esclarecer sobre a questão, o Hemoce participa da mobilização para a doação de medula até o dia 21.

A partir de 2003, a Fundação Edson Queiroz passou a levantar a bandeira em favor da doação de órgãos no Ceará com o Movimento Doe de Coração. Com essa iniciativa, o número de doações não parou de crescer.

Com dez anos, a campanha, que tem o apoio do Sistema Verdes Mares e da Universidade de Fortaleza (Unifor), segue estimulando a conscientização pela doação voluntária no Ceará. 


fonte>>http://diariodonordeste.globo.com/materia.asp?codigo=1215976

segunda-feira, 17 de dezembro de 2012

Na luta contra leucemia, jovem Capelanovense precisa de doador de medula óssea

Foto autorizada pela família. Proibido reprodução


Página em rede social faz campanha para selecionar doadores voluntários. Faça parte. 
O jovem Eduílio Vinício Barbosa (22) de Capela Nova está necessitando urgentemente da doação de medula óssea. Neste momento qualquer ajuda é bem vinda tendo em vista que ele se encontra no hospital aguardando a compatibilidade de um doador.

 Os médicos diagnosticaram leucemia em 2011. Tão logo iniciado o tratamento de quimioterapia em agosto de 2011, Eduílio vem lutando contra essa doença agressiva a pouco mais de um ano.

 De acordo com os médicos, foi realizado um exame de compatibilidade com o irmão, mas, infelizmente ele não foi compatível, o que aumenta a angustia dos familiares.

O tipo sanguíneo do Eduílio Vinício Barbosa é A+ (A positivo). O sangue humano é classificado em grupos e subgrupos, sendo os mais importantes os ABO (A, B, AB e O) e o Rh (positivo e negativo). No caso do A+ pode receber de A+, A-, O+ e O-.

Você pode nos ajudar. Procure um Hemocentro mais próximo e faça a coleta de uma pequena amostra sanguínea. Os dados obtidos através da analise do seu material, será cadastrado no Banco de Doadores de Medula Óssea (REDOME – Registro Nacional de Doares de Medula Óssea). Caso o seu tipo sanguíneo for compatível com o do paciente você será convidado pelo próprio Banco de Doadores, para fazer a coleta da medula óssea e posteriormente realizar o transplante. 
Sobre o Transplante:

Transplante de medula óssea é um procedimento que envolve o transplante de células tronco provenientes da medula óssea de um doador.  

Esse procedimento é indicado principalmente em doenças da medula óssea e certos tipos de câncer hematológicos.

A principal característica desse procedimento e o que a difere da maioria dos transplantes de órgãos é que no Transplante de medula óssea o receptor recebe por via endovenosa um aspirado de células de medula óssea do doador, e essas células migram pelo sangue até se fixarem na medula óssea do receptor e voltarem a se multiplicar e cumprir suas funções fisiológicas no hospedeiro.

Apesar de aparentemente simples, ainda é um procedimento de risco e está indicado apenas em doenças graves. 

Confira os locais de doação mais próximos de Capela Nova.

Hemocentro Regional de Juiz de Fora
Rua: Barão de Cataguases, s/n
Bairro: Centro
Cep: 36015-370

Telefone para contato e agendamento de doação
(32) 3257-3114

Doação de sangue
Segunda a sexta-feira - das 07:00 às 18:00
Sábado - das 08:00 às 11:00

Hemominas - Doação e Ambulatório
Alameda Ezequiel Dias, 321
Bairro: Santa Efigênia
Cep: 30130-110

Para contato
(31) 3248-4515

Doação de sangue
Segunda a sábado - das 07:00 às 18:00

Morre aos 73 anos o catarinense que doou sangue 187 vezes durante a vida

Orestes Golanovski era de Canoinhas e começou a doar em 1958.
Em 1991, o comerciante fundou uma associação de doadores na região.



Homem doou sangue 187 vezes entre 1958 e 2006 (Foto: Diego Redel/Agência RBS)

O comerciante catarinense que doou sangue 187 vezes entre 1958 e 2006 morreu aos 73 anos, na sexta-feira (14), em Curitiba, onde foi internado por causa de um câncer. Orestes Golanovski era de Canoinhas, no Norte de Santa Catarina, e doou mais de 90 litros de sangue no período. O enterro foi por volta das 17h30 desde sábado (15), em sua cidade natal.

De acordo com o filho Silmar, a primeira doação do pai foi em 1958, quando Orestes prestava o serviço militar, no Rio de Janeiro. Em 1969, quando já estava de volta a Canoinhas, uma mulher grávida estava com hemorragia e precisava de sangue. "Meu pai foi doar, mas não foi suficiente. Outra pessoa foi chamada, mas queria cobrar pela ação. Então ele decidiu doar pela segunda vez no dia", conta o filho. Ainda assim, as doações não foram suficientes. A criança foi salva, mas a mulher morreu. "Isso fez com que ele prometesse que a partir daquele dia nunca mais deixaria ninguém da cidade morrer por falta de sangue", complementa Silmar.

A partir de então, Golanovski começou a mobilizar a comunidade e alertar para a importância de doar sangue. Em 1991, fundou a Associação dos Doadores de Sangue da Região de Canoinhas (Adosarec). O grupo começou com 15 pessoas e neste ano ultrapassa 4 mil doadores. "O maior legado dele é que conseguiu estabelecer na cidade a cultura da doação de sangue. A situação em outros locais geralmente é crítica. Aqui, para cada bolsa de sangue que nós necessitamos, coletamos outras três para serem distribuídas no restante do estado", conta Silmar, orgulhoso do pai.

Ainda conforme o filho, o trabalho foi estruturado a partir de grupos. São mais de 70 cadastrados na associação. Cada grupo possui um coordenador, que é acionado quando há falta de sangue em algum local. Ele marca um horário com os doadores disponíveis e um microônibus vai buscá-los e os leva para a coleta. "Todos fazem isso sem receber nada, sem perguntar para quem é, sem conhecer quem recebe. Isso se repete 10, 20 e até 1000 vezes no ano. Já levamos doadores para São Paulo e Porto Alegre diversas vezes, quando não há pessoas suficientes nestes locais", relata ele, que também é doador, a exemplo do pai.

Há cerca de 15 anos, Golanovski representou a Associação em um evento da Federação Internacional das Organizações de Doadores de Sangue, que ocorreu no Brasil. "Neste dia eles apresentaram um italiano como o maior doador do mundo. Porém, ele estava com mais de 80 anos e havia doado 130 vezes. Meu pai ainda era doador na época e já contabilizava mais de 160. Ao se apresentar, foi então considerado o maior de que tinham notícia", completa Silmar.

A última doação de Orestes foi em junho de 2006, quando completou 65 anos, idade limite para doar. "Ele cumpriu a promessa e vamos continuar trabalhando para que ela não seja quebrada", finaliza o filho.


FONTE

.

.
http://g1.globo.com/sc/santa-catarina/noticia/2012/12/morre-aos-73-anos-o-catarinense-que-doou-sangue-187-vezes-durante-vida.html

sexta-feira, 14 de dezembro de 2012

CONHEÇA A LEI QUE INSTITUI A SEMANA DE MOBILIZAÇÃO NACIONAL PARA A DOAÇÃO DE MEDULA ÓSSEA



HEMOCENTRO DE FERNANDÓPOLIS MOBILIZA PARA CADASTRO DE DOAÇÃO DE MEDULA ÓSSEA

DE 14 A 21 DE DEZEMBRO:SEMANA NACIONAL DE INCENTIVO A DOAÇÃO DE MEDULA ÓSSEA

DOAÇÃO DE MEDULA ÓSSEA RECEBE INCENTIVO EM PORTO VELHO

Projeto incentiva doação regular de sangue em Mato Grosso


Em Mato Grosso, este cenário não é diferente. Infelizmente tal situação de escassez nos bancos de sangue somente ocorre em função da falta de doadores regulares. Essa realidade pode ficar no passado caso o Projeto de Lei de autoria do deputado José Domingos Fraga (PSD) seja aprovado.

De acordo com sua proposição, fica instituído o Programa Doação Solidária de Sangue com a participação dos Servidores Públicos da Administração Direta das três esferas do governo: Executivo, Legislativo e Judiciário, bem como, das autarquias e das fundações estaduais. O objetivo é estimular junto aos servidores públicos estaduais, a consciência da necessidade de doar sangue, não uma única vez, mas sim, regularmente, pelo menos 3 vezes ao ano.

O projeto consiste em incentivar a doação regular de sangue, estabelecendo que a cada 03 (três) doações consecutivas, devidamente comprovadas, o servidor terá direito a 2 dias de folga. O art. 124, I do Estatuto do Servidor, Lei Complementar n.º 04/90, prevê que os servidores que doarem sangue poderão deixar de comparecer ao serviço sem prejuízos. O art. 473, IV da Consolidação das Leis Trabalhistas (CLT), também autoriza o abono de apenas uma falta por ano em caso de doação de sangue. Os incentivos indicados no Estatuto do servidor, como os da CLT, não são suficientes para incentivar as pessoas a realizar doação periódica de sangue.

De acordo com José Domingos, as referidas autorizações, além de não estimular a doação não define a quantidade de vezes que o servidor pode ausentar-se do trabalho. “Acreditamos que instituir uma lei que incentive a doação entre os servidores públicos, contribuirá para que a importância do ato de doar sangue seja incorporada como um valor social e um compromisso com a coletividade”.

Dados do Ministério da Saúde indicam que apenas 1,8% dos brasileiros são doadores regulares de sangue. Em países desenvolvidos esse índice chega a 5%. José Domingos diz esperar melhorar as estatísticas e remodelar o pensamento do povo mato-grossense. “A intenção almejada com este projeto é incutir na cabeça dos cidadãos, no caso os servidores públicos, a relevância do caso em tela, confiando que estaremos mais próximos do dia em que a intervenção do Poder Público não será mais necessária”.

quarta-feira, 12 de dezembro de 2012

Criança se trata da leucemia através de vírus HIV desativado



Emma Whitehead com sua mãe, Kari The New York Times/Jeff Swensen.

Elemento que gera AIDS reprogramou sistema imunológico para combater células cancerosas e médicos se mostram esperançosos quanto a possível cura

RIO - Quem olha para Emma Whitehead saltitante e feliz não consegue imaginar que, meses antes, a alegre criança, de 7 anos, quase morreu devido a uma leucemia. Após um teste em que médicos da Hospital Intantil da Filadélfia, nos Estados Unidos, usaram vírus HIV deficientes, causadores da Aids, para programar geneticamente o sistema imunológico para combater as células cancerosas, a doença desapareceu. O surpreendente resultado animou os cientistas, que já se mostram esperançosos quanto ao futuro do tratamento.

Emma sofria de leucemia linfoblástica, que consiste na produção de glóbulos brancos imaturos , desde 2010. Não havia muitas opções. Já havia sofrido duas recaídas. Desesperados e com medo de perder a filha única, os pais decidiram apostar na experiência do Hospital da Filadélfia, que já havia tratado outros 12 pacientes com o método. Três adultos apresentaram remissão completa. Dois, porém, apresentaram melhoras por apenas dois anos e quatro não obtiveram a remissão total. Uma criança, melhorou, mas teve uma recaída. Em dois, o tratamento não funcionou. O método, portanto, não garantia a eficácia total.

Células T, presentes no sistema imunológico e que têm como especialidade combater objetos invasores, foram retiradas do corpo de Emma. Neste momento, foram reprogramadas geneticamente através de vírus desativados de HIV, que, segundo os médicos, funcionam melhor com este tipo de célula. Elas, foram, então, reinseridas no organismo. Logo começaram a se multilpicar freneticamente, o que fortaleceu o combate às células B, que geram a produção de elementos malignos que levam à leucemia.

O vírus produz uma proteína semelhante a um anticorpo, chamada receptor quimérico de antígenos. Este elemento se junta à proteção externa das células T e é concebido para anular uma proteína chamada CD 19, que está presente nas tumorais e em algumas normais. As células modificadas voltam ao corpo do paciente e passam, então, a exercer a função. As que não expressam o CD 19 são ignoradas, o que diminui os riscos de efeitos colaterais.

Um sinal de que o tratamento funciona são os sintomas de febre alta e calafrios frequentes. O problema se chama Síndrome da Liberação de Citocinas e se refere aos pródutos químicos que são expelidos das células do sistema imunológico quando ativadas, o que gera os problemas e pode afetar os pulmões e causar quedas perigosas na pressão arterial. O efeito quase levou Emma à morte.

Esteróides, garantem os médicos, podem facilitar a resitência do paciente nesta fase do tratamento. Para Emma, porém, não funcionaram. A temperatura da menina chegou a 41º C e ela precisou ficar exposta constantemente a um ventilador, inchada, inconsciente e quase irrreconhecível, cercada de familiares e amigos que foram se despedir.

O nível de uma das citocinas, a Interleucina-6, havia subido quase mil vezes na criança, o que não era esperado. O doutor Carl June, líder da equipe de pesquisa envolvida no tratamento pela Universidade da Pensilvânia, lembrou-se, então, de um remédio usado pela filha contra reumatóide. As chances eram mínimas, mas decidiu arriscar. O resultado, diz, foi “incrível”. Aos poucos, Emma começou a apresentar melhoras. Acordou uma semana depois, no dia de seu aniversário de 7 anos.

A esperança dos pesquisadores é que o novo método possa substituir o transplante de medula óssea, considerado arriscado e caro, hoje a última opção no tratamento da doença. O tratamento consegue diminuir a sobrevida em, no máximo, 30%.

Apesar dos resultados diversos nos testes, os pesquisadores afirmam que o método é promissor devido aos casos de melhoras em pacientes que não apresentavam mais esperanças de sobreviverem.

— Isso, por si, já é um grande avanço — declarou Ivan Borrello, especialista em câncer e professor de medicina na Escola de Medicina da Universidade John Hopkins, nos Estados Unidos.

Nos pacientes com remissão duradoura após o tratamento, verificou-se que as células T modificadas continuam a circular no sangue, embora em menor número.

— Nosso objetivo é ter uma cura, mas não podemos dizer esta palavra — diz June.

Já o doutor John Wagner, diretor de transplante de medula na Universidade da Minnesota, classificou a recuperação de Emma como “fenomenal”.

O tratamento chamou a atenção do mercado farmacêutico. Uma empresa se comprometeu a investir R$ 20 milhões em um centro de pesquisas no campo da Universidade da Pensilvânia para iniciar as pesquisas sobre o assunto.


FONTE

Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/saude/crianca-se-trata-da-leucemia-atraves-de-virus-hiv-desativado-6993828#ixzz2En99sRVj

HRCRM REALIZA CAMPANHA PARA DOAÇÃO DE MEDULA

BAIXO ESTOQUE DE SANGUE PREOCUPA AUTORIDADES DE SAÚDE,EM RO

quinta-feira, 6 de dezembro de 2012

Novo teste torna mais segura a detecção de HIV e hepatite C em doação de sangue

ANEMIA PODE SER UMA INDICAÇÃO DE QUE SUA MEDULA ÓSSEA ESTEJA FALINDO


A principal função da medula óssea é produzir as células do sangue, ou seja, a hemoglobina, os leucócitos e as plaquetas. Sua falência, ou aplasia, pode ser herdada geneticamente ou resultar de doença autoimune. É mais comum na Ásia, entre 15 e 30 anos. A primeira indicação em geral é anemia, que causa fraqueza, cansaço, falta de ar e, dependendo da gravidade, pode ser fatal.





Aplasia significa falência. Já a medula óssea constitui-se de um tecido líquidoesponjoso avermelhado que ocupa o interior dos ossos. Todo o tecido medular se comunica entre si. É mais volumoso nos ossos longos dos braços e das pernas e nos do quadril. A principal função da medula óssea é produzir as células do sangue, ou seja, os leucócitos, encarregados da defesa; a hemoglobina, que transporta o oxigênio; e as plaquetas, que participam na coagulação do sangue. As células são produzidas na medula e, quando se tornam adultas, vão para a corrente sanguínea. Infelizmente, como outros órgãos e tecidos humanos, a medula óssea pode apresentar doenças, como a falência.
Há várias doenças que se apresentam pela falência da medula óssea. Caracteriza-se a chamada aplasia medular, também conhecida como anemia aplástica, quando o tecido perde a capacidade de produzir adequadamente as células sanguíneas. Ela adquire uma coloração esbranquiçada característica de gordura. O tecido da medula fale inteiramente, embora a intensidade possa variar de uma porção para outra. Embora não se saiba por quê, a doença é mais comum na Ásia, onde a incidência atinge cinco a 10 portadores em cada grupo de 1 milhão de pessoas. É rara no Ocidente. Pode manifestar-se em qualquer idade, mas ocorre mais entre os 15 e os 30 anos.
A aplasia medular pode ser passada geneticamente de pai para filho, manifestando-se já na infância, ou sobretudo, como disse, entre os 15 e os 30 anos em casos onde nao há um fator genético. Portadores da forma genética, claro, nascem com a doença. Já no segundo caso, que é o mais frequente, se trata de uma doença autoimune, ou seja, em que o próprio organismo, ainda não se sabe por quê, produz células que atacam a medula e a levam a falir.
O primeiro sintoma da aplasia medular em geral é anemia, que leva a fraqueza, cansaço, falta de ar e falta de força. Nas situações mais graves, claro, em especial quando cai bastante o número das células sanguíneas, muitas vezes ocorrem também sangramentos excessivos importantes (número de plaquetas está baixo)  e infecções (número de leucócitos está baixo).
Vale destacar que, nos casos menos intensos, às vezes a doença até passa despercebida e só é descoberta quando o portador doa sangue, faz exame de sangue como preparação para uma cirurgia ou realiza check-up. Nas situações mais graves, porém, pode até matar. Por isso mesmo, pessoas com sintomas, sobretudo se o número de dois dos três tipos de células de seu sangue está baixo, devem consultar logo um médico clínico geral ou hematologista. Se leu este artigo, até pode alertá-lo para a possibilidade de se tratar da doença. 
O diagnóstico inicial é baseado no histórico do caso, no exame físico, na contagem das células do sangue e em fazer uma biópsia de medula óssea, em geral retirada do osso do quadril. Aplasias mais discretas em geral não precisam ser tratadas, são apenas acompanhadas. Para os casos mais graves, em que a vida do portador pode correr risco, existem dois tipos de tratamento: transplante de medula óssea ou o uso de medicamentos que anulam a ação das células que atacam a medula. As duas formas, felizmente, dão ótimos resultados.