segunda-feira, 9 de abril de 2012

Protocolo pioneiro para angariar dadores de medula (c/video)


O Banco Virtual Municipal de Medula Óssea vai ser uma realidade no concelho da Trofa.
O protocolo foi assinado no sábado, dia 31, durante a cerimónia de homenagem aos dadores de sangue. Foi durante uma cerimónia solene de homenagem aos dadores de sangue que o protocolo que prevê a criação de um Banco Municipal de Medula Óssea foi assinado, permitindo a disponibilização de material informativo e de apoio logístico na recolha de dadores.
O Centro de Histocompatibilidade do Norte (CHN), a Câmara Municipal da Trofa, o Lions Clube da Trofa e todas as oito juntas de freguesia são parceiros neste protocolo considerado inovador no país.
Uma iniciativa que partiu de uma ideia do Lions Clube da Trofa, que dinamiza colheitas de sangue regulares, conseguindo que as doações do concelho representem sete por cento do sangue consumido, anualmente, no Hospital de S. João, do Porto. No futuro, tanto as juntas de freguesia como a Câmara Municipal terão um papel fundamental, fornecendo material informativo e participando em ações de educação para o transplante e educação para a saúde, junto das escolas e população em geral.
Esta iniciativa insere-se numa campanha de sensibilização para a angariação de mais dadores de medula óssea, informando os potenciais dadores e facilitando o acesso dos cidadãos no cumprimento deste ato solidário. Recorde-se que, todos os que tiverem entre os 18 e os 45 anos podem participar no Registo Português de Dadores de Medula Óssea como potenciais dadores. 
Luís Reis, presidente do Lions Clube da Trofa, felicitou o CHN, a autarquia trofense e as oito freguesias, por participarem neste protocolo. José Carneiro, coordenador do pelouro do sangue da associação, e um dos impulsionadores deste protocolo, afirmou que este documento “permitirá seguramente aumentar em muito a captação de dadores de medula óssea com uma grande economia de recursos”. 
Helena Alves, diretora do CHN, foi perentória: “É importante dizer que, para além deste trabalho de captação de dadores de medula óssea, vamos fazer um outro trabalho de prevenção e de educação para a saúde, no sentido de evitar as necessidades do transplante. Muitos dos doentes que nos chegam para transplante são doentes que podiam ter ao longo da vida comportamentos diferentes de maneira a evitar algumas das doenças que atacam o rim, o coração, os pulmões, o fígado e que levam depois à necessidade de transplante”.
Já José Magalhães Moreira, vice-presidente da Câmara Municipal da Trofa, espera que este protocolo “atinja patamares de excelência, conseguindo rapidamente uma percentagem de dadores de medula óssea concelhia acima da média nacional”. Depois de o protocolo ter sido celebrado, chegou a vez de os dadores de sangue serem homenageados, tendo recebido merecidos elogios das entidades participantes. “Não é a maior prova de amor ao próximo do que dar sem nada esperar receber? Por isso, não é demais dizer-vos o quanto estamos gratos por responderem sempre positivamente e sem reservas, quando solicitamos as vossas dádivas”, afirmou Luís Reis.
“Hoje na minha frente estão muitos heróis. Homens e mulheres que foram e são extraordinários pela sua magnanimidade. Dar sangue é dar vida, é dar o bem mais precioso que, em termos físicos cada um de nós possui, de uma forma tão desinteressada sem saber quem dele vai beneficiar”, elogiou José Carneiro. Este protocolo inovador é apenas o segundo a nível nacional, sendo o primeiro no seio dos Lions Clube.
*

Nenhum comentário:

Postar um comentário