segunda-feira, 4 de junho de 2012

MARIA JULIA PERDE A LUTA CONTRA O CANCER



MARIA JULIA PERDE A LUTA CONTRA O CANCER

A garotinha Maria Julia Franciosi Gelinski, 11 anos, que passou por um transplante de medula óssea no final em 2011, vinha enfrentando intensa luta contra o câncer linfático, chamado de linfoma descoberto em 2010. Mesmo depois do transplante ter sido bem sucedido o organismo de Maria Julia no último mês apresentou sinais de rejeição ao tratamento com medicamentos importados. A luta contra o câncer lamentavelmente foi interrompida na madrugada desta quinta-feira (22), quando a equipe médica do Hospital Nossa Senhora das Graças, em Curitiba, que acompanhava o caso divulgou a morte de Maria Julia, por volta da 1 hora A causa da morte não foi revelada.

A notícia foi confirmada através do twitter da mãe da menina, Karen Franciosi, que postou a informação na Internet, e pela madrasta Francelize Ferrari que confirmou sua morte por telefone. A família está em Curitiba e cuida do translado do corpo de Maria Julia que será velado na Capela Mortuária de Guarapuava, onde os familiares residem. O horário e o local do sepultamento não foram confirmados pela família.

SOLIDARIEDADE

No ano passado, uma campanha envolveu quase dois mil laranjeirenses para cadastrar pessoas que poderiam ser possíveis doadores de medula para o transplante. Na época, o número de doadores cadastrados superou todas as expectativas da família. O problema agora é que novos linfomas voltaram a surgir. Por isso, Maria Julia retornou ao Hospital Nossa Senhora das Graças, em Curitiba, no dia 2 de fevereiro.





Conforme a família, Maria Julia chegou a receber a intervenção de medicamento importado dos Estados Unidos (EUA) para combater diretamente nas células cancerígenas. O remédio foi lançado em novembro de 2011 e ainda não foi liberado pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária). Os trâmites para que o remédio seja importado é burocrático e lento, além do custo elevado. “É justamente essa demora que está provocando a angústia de toda a família”, comentou Francelize Ferrari, madrasta da menina.

O CÂNCER

A luta de Maria Julia contra um câncer linfático começou há um ano, no dia 4 de agosto de 2010, e em 2 de setembro iniciava o tratamento quimioterápico. A partir de então familiares e amigos, começavam uma verdadeira maratona em busca de doações de medula óssea com a intenção de encontrar um doador compatível. Mais de dois mil doadores foram registrados.

Em 8 de novembro de 2011, Maria Julia havia encontrado um doador com 100% de compatibilidade. No dia 18 de novembro, após quatro horas de cirurgia, a menina teve a nova medula transplantada. No dia 12 de dezembro teve alta do hospital e foi para casa. “Um nódulo que surgiu em uma das pernas e o quadro febril levaram Maria Julia de volta ao hospital. Por isso, é grande a expectativa que o medicamento seja liberado o quanto antes, pois a possibilidade de cura é certa. A família está confiante”, conta a madrasta Francelize Ferrari emocionado ao relatar o caso da menina.



http://www.radiocampoaberto.com.br/?p=7994
*

Nenhum comentário:

Postar um comentário