quinta-feira, 17 de janeiro de 2013

Ação local pretende incentivar a doação de medula óssea


Cerca de 27.827 brasileiros integram a lista de espera de transplantes de medula óssea. Os dados, referentes a 2012, foram levantados pelo Sistema Nacional de Transplantes. Esse tipo de transplante cresceu 17% no ano passado, segundo o Ministério da Saúde, resultado do avanço da medicina e do número de doadores. De olho nessa parcela da população, a Secretaria Municipal de Saúde, em parceria com o Hemonúcleo Regional de Jaú, realiza no próximo sábado (19), uma campanha de incentivo.

A ação acontece no Centro de Saúde II e nela, voluntários preenchem um formulário com dados pessoais. Em seguida, será coletada uma amostra de 5 milímetros de sangue para testes de compatibilidade (tipagem HLA – histocompatibilidade), que determinam as características genéticas que são necessárias para a compatibilidade entre o doador e o paciente. O resultado fará parte do cadastro do Redome (Registro Nacional de Doadores de Medula Óssea). Em caso de compatibilidade com um paciente, ele é então chamado e, se aceitar fazer a doação, passará por exames complementares. O horário para a coleta de dados acontece das 7h às 12h, no Centro de Saúde João Geraldo Noronha, localizado na Rua Campos Salles, no Belvedere.
Como é feita a coleta?

O procedimento é realizado em hospital credenciado, sob anestesia peridural ou geral, e requer internação por, no mínimo, 24 horas. O procedimento consiste na retirada da medula óssea do interior dos ossos da bacia, por meio de punções, que se recompõe em 15 dias. Três dias após a doação, pode haver desconforto localizado, de leve a moderado, amenizado com o uso de analgésicos e medidas simples. O retorno às atividades normais ocorre na primeira semana.
Compatibilidade é uma em 100 mil pessoas

Para que o transplante de medula óssea aconteça é necessário que a compatibilidade entre o doador e receptor seja de 100%. Dados do Inca (Instituto Nacional de Câncer) revelam que a chance de encontrar alguém compatível fora da família é uma em 100 mil pessoas. Quanto maior o número de cadastros, mais chances os pacientes possuem.

A leucemia é uma doença maligna dos glóbulos brancos (leucócitos), geralmente, de origem desconhecida. Tem como principal característica o acúmulo de células jovens anormais na medula óssea, que substituem as células sanguíneas normais. A medula é o local de formação das células sanguíneas e ocupa a cavidade dos ossos, sendo popularmente conhecida por tutano. Nela, são encontradas as células que dão origem aos glóbulos brancos, aos glóbulos vermelhos (hemácias ou eritrócitos) e às plaquetas. Segundo estimativas do Inca, em 2012, 8.510 casos da doença foram registrados no Brasil, sendo 4.570 homens e 3.940 mulheres. (Redação)


Nenhum comentário:

Postar um comentário