terça-feira, 7 de maio de 2013

Descoberta pode prevenir anemia induzida por quimioterapia

Equipe de investigadores do Albert Einstein College of Medicine, nos EUA, descobriu que uma maneira de prevenir a anemia induzida por sessões de quimioterapia.

A pesquisa mostrou que o tratamento quimioterápico induz um tipo de dano no nervo dentro da medula óssea que pode causar atrasos na recuperação após o transplante de medula óssea.

As descobertas sugerem que a combinação de quimioterapia com agentes de proteção de nervo podem prevenir lesões de longo prazo na medula óssea que provocam anemia e podem melhorar o sucesso de transplantes de medula óssea.

O estudo foi publicado na revista Nature Medicine.

A regeneração e maturação constante das células-tronco hematopoiéticas (produtoras de sangue) em nossa medula óssea produzem bilhões de glóbulos vermelhos todos os dias. A quimioterapia fere a medula óssea, levando à anemia, ou reduzindo a contagem de glóbulos vermelhos. No entanto, como a quimioterapia prejudica a medula óssea não era claro.

Anemia pode levar a inúmeros problemas de saúde, incluindo fadiga crônica, taquicardia, déficit cognitivo, falta de ar, depressão e tonturas. Além disso, estudos têm demonstrado que pacientes com câncer que desenvolvem anemia tem um 65% maior risco de morte em comparação com pacientes com câncer sem anemia.

Em um estudo anterior, o autor sênior Paul Frenette descobriu que os nervos simpáticos dentro da medula óssea direciona o movimento das células estaminais hematopoiéticas.

"Uma vez que muitas quimioterapias utilizadas no tratamento do câncer são neurotóxicas, nos perguntamos se elas também podem danificar os nervos simpáticos na própria medula óssea, prejudicando a capacidade das células hematopoiéticas para se regenerar e fabricar glóbulos vermelhos. Essa possibilidade não tinha sido examinada antes", ressalta Frenette.

O pesquisador e seus colegas trataram ratos com sete ciclos de cisplatina, uma droga de quimioterapia comum com conhecidos efeitos neurotóxicos. A cisplatina causou problemas de neuropatia periférica semelhantes aos observados em pacientes com câncer. Os animais então, receberam transplantes de medula óssea frescas para ver o quão bem sua medula se regenerava. Apesar de receberem as células estaminais frescas, os ratos tratados com cisplatina tinha recuperação atrasada das contagens de sangue, em comparação com os controles, sugerindo que tratamentos com cisplatina tinham afetado a medula óssea e impedido as células-tronco hematopoiéticas de se regenerarem. Em contraste, os ratinhos tratados com carboplatina, medicamento não-neurotóxico, recuperaram sua capacidade de produzir sangue após o transplante de medula óssea.

Para confirmar que os nervos simpáticos saudáveis na medula óssea são necessários para regenerar células-tronco hematopoéticas e produzir hemácias, os pesquisadores seletivamente danificaram nervos simpáticos na medula usando produtos químicos ou engenharia genética. Em ambos os casos, os ratos com os nervos simpáticos danificados eram menos capazes do que os ratos controle para se recuperarem após transplante de medula óssea.

Os pesquisadores descobriram que a lesão desses nervos pode ser reduzida fornecendo aos ratos agentes protetores do nervo junto com a quimioterapia. Ratos tratados com sete ciclos de cisplatina, juntamente com 4 metilcatecol (droga experimental que supostamente protege os nervos simpáticos) mostraram melhor resposta ao transplante de medula óssea, em comparação aos controles.

Frenette e seus colegas planejam agora procurar compostos que podem proteger os nervos simpáticos da medula óssea sem reduzir a eficácia da quimioterapia.
Fonte: Isaúde


fonte>>http://www.jptl.com.br/?pag=ver_noticia&id=58347

Nenhum comentário:

Postar um comentário