quarta-feira, 24 de julho de 2013

Pró-Sangue precisa de doações

Estoques dos tipos sanguíneos O+, O-, A+, A- e B+ estão em nível crítico
O estoque de sangue da Fundação Pró-Sangue está em nível crítico. Os tipos sanguíneos com mais necessidade de reposição são O+, O-, A+, A- e B+. O tipo B- está em estado de alerta. A Pró-Sangue é responsável pelo abastecimento de 128 hospitais da Região Metropolitana de São Paulo.


Para doar, basta estar em boas condições de saúde, comparecer ao posto de coleta alimentado (evitar alimentos gordurosos nas 4 horas que antecedem a doação e bebidas alcoólicas 12 horas antes), ter entre 16 e 67 anos (para menores, consultar site da Pró-Sangue), pesar no mínimo 50 quilos e apresentar documento de identidade original com foto.

Quem estiver com gripe ou resfriado deve aguardar uma semana após recuperar-se para fazer a doação. Entenda quem doa para quem e descubra a quem seu sangue pode servir e também de quem você pode receber. Veja também os endereços dos postos de coleta e seus horários de funcionamento.

BH ganha leitos para transplante de medula óssea

Oito posições serão dedicadas exclusivamente ao procedimento

O Hospital Luxemburgo, na região Centro-Sul de Belo Horizonte, passa a contar, a partir de hoje, com uma unidade exclusiva de transplantes de medula óssea. O espaço, de 172 m², terá oito leitos dedicados ao procedimento e vai atender uma média de 50 pacientes por ano, incluindo usuários do Sistema Único de Saúde (SUS), convênios e particulares. Na manhã de hoje, serão inaugurados quatro leitos, que já estão prontos para uso.

O transplante de medula óssea é um procedimento importante no tratamento de alguns tipos de câncer, como leucemias, linfomas e mieloma múltiplo.
Inicialmente, o hospital fará o chamado transplante autólogo, no qual são utilizadas células do próprio paciente. Mas a expectativa do Instituto Mário Penna, instituição de tratamento do câncer responsável pelo Hospital Luxemburgo, é oferecer, dentro de um ano, o transplante alogênico, que utiliza células de doadores compatíveis com os pacientes.
Dados da Fundação Hospitalar do Estado de Minas Gerais (Fhemig) mostram que 83 transplantes de medula óssea foram realizados em todo o Estado no ano passado.
Demanda. Em Belo Horizonte, o procedimento é realizado apenas no Hospital das Clínicas, no Socor e na Santa Casa, e a oferta de leitos não é suficiente para atender a demanda pelo tratamento. A estimativa é que existam pelo menos 60 pacientes do SUS aguardando pelo transplante de medula óssea atualmente.
Mais de R$ 120 mil foram investidos na reforma e na adequação dos leitos pelo Instituto Mário Penna, que fornecerá também a infraestrutura de internação. Os transplantes de medula serão realizados em parceria com a clínica Hematológica, que fará a coleta das células que serão transplantadas.
Segundo o instituto, outros quatro leitos estão sendo reformados e adaptados com a instalação de equipamentos para também realizar o transplante.

Programa de coleta programada de sangue procura novos doadores

Durante todo o mês de julho os estoques de sangue dos seis bancos captadores do Tocantins ficam abaixo do necessário, isso se dá devido ao período de férias e temporada de praias. Como as demandas de utilização do sangue tendem a aumentar neste mesmo período, o Hemocentro realiza neste mês uma série de ações itinerantes em parceira com empresas, instituições e igrejas, com o objetivo de ampliar as coletas.

De acordo com a gerente de captação de doações do hemocentro, Denis Gomes Rodrigues, “apesar de cada doador beneficiar até quatro pessoas, as demandas de utilização do sangue tem sido maiores que as doações, por isso estamos intensificando as divulgações. Além das ligações que estamos fazendo para os doadores fixos, estamos buscando parcerias com igrejas e empresas”.

Durante o mês de julho o Hemocentro está promovendo o Programa de Coletas Programadas, em que todas as terças-feiras, de 8h às 16h, são realizadas as coletas na Feira Coberta de Paraíso do Tocantins. Já às quintas-feiras, os atendimentos são na Feira da Aureny III, das 8h às 12h.

Atualmente o Estado conta com postos de coleta nas cidades de Araguaína, Augustinópolis, Gurupi, Porto Nacional e dois em Palmas, além de uma unidade móvel, que tem sido instrumento de captação junto a empresas voltadas a saúde de Palmas. “Os empresários reúnem grupos de funcionários e nos ligam solicitando um dia de coleta, daí enviamos a unidade móvel e a captação é realizada”, afirma Denis Gomes.

Segundo Nilberto Alves Barros, de 24 anos, doador de sangue há um ano e meio, a motivação para realizar a doação surgiu a partir de uma reflexão que fez, após visitar um hospital e se deparar com pessoas que estavam dependo de sangue para cirurgia. “Ver o sofrimento daqueles que estavam esperando sangue para suas cirurgias me tocou muito, a partir daí comecei a doar e não pretendo parar nunca”, declara.

Condições básicas para doar sangue:
- Sentir-se bem, com saúde;
- Apresentar documento com foto, emitido por órgão oficial;
- Pesar acima de 50 kg;
- Ter entre 16 e 67 anos de idade.

Recomendação para o dia da doação:
- Nunca vá doar sangue de jejum;
- Repouso mínimo de seis horas na noite anterior;
- Não ingerir bebidas alcoólicas nas 12 horas anteriores;
- Evitar fumar por, pelo menos, duas horas antes da doação;
- Evitar alimentos gordurosos.

Quem não pode doar?
- Quem teve diagnóstico de hepatite após os 10 anos de idade;
- Mulheres grávidas ou que estejam amamentando;
- Pessoas que estão expostas a doenças transmissíveis pelo sangue, como AIDS, hepatite, sífilis e doenças de chagas;
- Usuários de drogas;
- Aqueles que tiveram relacionamento sexual, com múltiplos parceiros, nos últimos 12 meses.


FONTE>>http://surgiu.com.br/noticia/100018/programa-de-coleta-programada-de-sangue-procura-novos-doadores-.html

Células-tronco podem ajudar a regeneração do nervo facial

Medula óssea

São Paulo – “A expressão dos sentimentos pela face é uma das habilidades mais singulares do ser humano, o que torna a perda dos movimentos dessa musculatura bastante angustiante.” Com essas palavras, a médica Raquel Salomone sintetizou a motivação do estudo da regeneração do nervo facial por meio de células-tronco, com o qual obteve, no fim de 2012, seu título de doutora.

Enviado ao Congresso Mundial de Otorrinolaringologia, em Seul, na Coréia do Sul, o trabalho recebeu, em julho último, o prêmio Jovem Cientista, conferido pelo evento.
O estudo “Avaliação da regeneração do nervo facial de ratos após a implantação de células-tronco derivadas do estroma de medula óssea diferenciadas in vitro” foi orientado por Ricardo Ferreira Bento, professor titular do Departamento de Oftalmologia e Otorrinolaringologia da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FM-USP), e contou com apoio da FAPESP.
A proposta foi buscar uma solução para a lesão do sétimo nervo do crânio, causada por traumas ou vírus, que têm como consequência a paralisia e a decorrente assimetria da face.
“Isso traz gravíssimos transtornos para a pessoa afetada, como a incapacidade de piscar o olho, o que pode ocasionar úlcera de córnea e cegueira; a impossibilidade de controlar as glândulas salivares e comer; a perda de sensibilidade do pavilhão auricular e do ouvido externo; além da deformidade estética, com todo o seu impacto psicológico”, disse Salomone à Agência FAPESP.
A reconstrução cirúrgica do nervo tem resultados limitados. Paralisia residual, hipotonia (diminuição do tônus muscular) e sincinesia (associação de movimentos involuntários aos movimentos voluntários) são algumas das sequelas.
“O que mais me instigou, e sinceramente ainda me tira o sono, foi constatar que, mesmo nas mãos dos melhores cirurgiões, os resultados eram tão insatisfatórios. Por que uns pacientes evoluíam bem e outros não? Por que os tratamentos existentes surtiam efeito para uns e não para outros? Eu queria poder fazer algo para ajudar. Foi isso que impulsionou meu estudo”, disse Salomone, que é supervisora do ambulatório de Paralisia Facial Periférica e médica otorrinolaringologista do Hospital das Clínicas da FM-USP.

Calendário de Araranguá tem, agora, Semana de Incentivo à Doação de Medula Óssea



Araranguá tem, agora, em seu calendário municipal, a Semana de Incentivo à Doação de Medula Óssea. Ela será realizada anualmente na semana que contenha o dia 14 de junho. A Lei número 3.165, que instituiu a semana, foi aprovada e sancionada pelo prefeito Sandro Maciel na última semana.

Durante a semana, serão promovidas em escolas, unidades de Saúde, associações, sindicatos, palestras, cursos e atividades que ressaltem a importância desta ação. O projeto de lei é de autoria do vereador Lourival João.

Colaboração: Renata Rocha/Comunicação Prefeitura de Araranguá

FONTE>>http://www.engeplus.com.br/0,,64283,Calendaride-Ararangua-tem-aga-Semana-de-Incentiva-Dcade-Medula-Ossea.html

Ação promocional para campanha de doação de sangue impacta milhares de pessoas via redes sociais

Ação promocional para campanha de doação de sangue impacta milhares de pessoas via redes sociais


Mobiliário Urbano criado pela agência Agnelo Pacheco foi instalado em avenidas de São Paulo incentivando as pessoas a tuitarem a hashtag #doesangue.
Todos os anos, o Ministério da Saúde promove campanha de conscientização sobre a importância da doação de sangue. O objetivo é aumentar o número de doadores, já que, no Brasil, menos de 2% da população possui esse hábito.

Para mudar esse comportamento, a campanha idealizada pela Agnelo Pacheco visou sensibilizar a população mostrando pacientes reais que precisam da doação de sangue para sobreviver. O slogan definido para a campanha foi: Seja para quem for, seja doador. “Afinal, para doar sangue não é preciso conhecer a pessoa que será beneficiada”, declara o diretor de criação da agência, Edu Henrique.

Das peças que fizeram parte da ação, uma em especial vale ser ressaltada. Trata-se do Mobiliário Urbano (MUB) que fora instalado nas Avenidas Doutor Arnaldo e Domingos de Morais, em São Paulo. “As pessoas que passavam pelos locais onde os MUB’s estavam instalados eram incentivadas a tuitar a hashtag #doesangue, e as peças despertavam bastante a atenção pois simulavam grandes bolsas de sangue que aumentavam e diminuíam a quantidade de líquido disponível”, revela o diretor de criação da Agnelo Pacheco.

Como resultado, a ação gerou aproximadamente 93 mil visualizações no Twitter e Instagram, teve 165 mil pessoas impactadas via Facebook e outras milhares que tiveram a oportunidade de observar os MUB’s. “Assim, mesmo sem doar sangue, as pessoas puderam divulgar a causa, ajudando a salvar vidas.”, finaliza Edu Henrique.

Abaixo, segue link para acesso ao vídeo que mostra como a ação foi desenvolvida e a reação das pessoas que tiveram a oportunidade de conhecer a peça e participar da ação: 







FONTE>>http://www.portaldapropaganda.com.br/portal/component/content/article/16-capa/37218-acao-promocional-para-campanha-de-doacao-de-sangue-impacta-milhares-de-pessoas-via-redes-sociais

INCA(HOSPITAL DO CANCER RJ) PRECISA DE ROUPA DE FRIO


Campanha de doação de sangue em Itu, SP, recebe cadastro de doadores

Interessados em participar de mais uma campanha de doação de sangue em Itu (SP) e que se enquadram nos requisitos necessários deverão realizar o cadastros até o dia 26 de julho. Para se inscrever, os doadores devem comparecer ao Posto de Enfermagem, instalado na prefeitura, ou na Pastoral da Saúde do Hospital São Camilo.
O cadastramento no Posto de Enfermagem, instalado no andar térreo da prefeitura, pode ser feito de segunda a sexta-feira, das 8h às 16h30. Para efetuar o cadastro na Pastoral da Saúde, o contato deve ser feito pelo telefone (11) 4013-8024, de segunda a sexta-feira, das 9h às 12h e das 13h às 18h. Todos os candidatos a doadores serão contatados pela equipe da Pastoral da Saúde.
Os requisitos necessários para doar sangue são: portar documento oficial de identidade com foto, ter entre 16 e 67 anos de idade, sendo que a primeira doação deve ter sido feita antes dos 60 anos; pesar acima de 50 quilos; estar em boas condições de saúde; estar alimentado, porém, tendo evitado refeições pesadas (gordurosas).
No caso de doadores menores de 18 anos, se estiverem acompanhados pelo responsável legal, devem levar cópia do documento de identidade de ambos e preencher autorização no momento da doação. Quando estiverem desacompanhados, devem apresentar cópias dos documentos de identidade e o documento de autorização para doação com firma reconhecida em Cartório.
A campanha de doação será realizada no dia 7 de agosto, na sede da Prefeitura de Itu, das 9h às 14h. Na ocasião, serão atendidos até 200 candidatos a doadores.

Sábado é dia da campanha de doação de sangue mensal da FIEC

Foto

A Prefeitura de Indaiatuba, por meio da Fundação Indaiatubana de Educação e Cultura (FIEC), realiza neste sábado, dia 27 de julho, das 9 às 12 horas, a campanha de doação de sangue mensal em parceria com o Centro de Hematologia e Hemoterapia da Unicamp (Hemocentro).
O evento conta com o apoio da Secretaria Municipal de Saúde, que disponibiliza uma ambulância durante todo o período de doação, seguindo assim normas da Unicamp. Haverá também o cadastramento de candidatos para doação de medula óssea. A FIEC mantém parceria com empresas e faculdades, que contribuem com os lanches e sucos oferecidos aos doadores, o desjejum ou após a doação.
Não poderá ser doador o candidato que estiver fazendo algum tipo de tratamento, usando medicamento, estiver com gripe, ter tomado a vacina contra a gripe comum há menos de 30 dias, não tiver parceiro (a) fixo (a), pesar menos de 50 quilos, tiver feito endoscopia há menos de um ano, tiver piercing ou tatuagem também há menos de um ano, for diabético, se tiver ingerido bebida alcoólica na noite anterior, fumar horas antes, etc.
Para ser um doador é obrigatória a apresentação de documento oficial com foto. Ter entre 16 (dos 16 até 18anos incompletos, apenas com consentimento formal dos responsáveis) e 67 anos, 11 meses e 29 dias; não estar em jejum; evitar apenas alimentos gordurosos nas quatro horas que antecedem a doação. A FIEC fica na Avenida Engenheiro Fábio Roberto Barnabé, nº 3.405, Jardim Regina.

Criança de Guaribas com câncer na medula precisa de sangue A-

Um garoto de 7 anos de idade está precisando com urgência de bolsas de sangue do tipo A negativo (A-). Ivoniel Correia Maia é natural do município de Guaribas, 653 quilômetros ao Sul da capital. 

A criança está internada há 13 dias no hospital São Marcos, em Teresina, e foi diagnosticada com câncer na medula. Inoviel completará 8 anos em outubro. 

Parentes da criança afirmam que, pelo tipo raro, estão com dificuldades para conseguir doadores.

Quem tiver sangue A- deve comparecer ao Centro de Hematologia e Hemoterapia do Piauí (Hemopi) e pedir que sua doação seja direcionada para Ivoniel Correia Maia, no Hospital São Marcos. 

Contatos do Hemopi: (86) 3221-4989 / 3221-8319 / 0800 285-4989

Crianças e jovens lutam contra o câncer para continuar estudando



A luta contra o câncer pode impedir a ida dos pacientes à escola. Para não abandonar os estudos, crianças têm optado por assistir às aulas no hospital. Tem estudante que já passou até no vestibular. Veja!

FONTE>>http://entretenimento.r7.com/hoje-em-dia/videos/criancas-e-jovens-lutam-contra-o-cancer-para-continuar-estudando/idmedia/51ee878a0cf25a7d43ff79c0.html

Hemocentro convoca doadores de sangue fator Rh negativo

O Centro de Hemoterapia de Sergipe (Hemose) segue com o serviço de convocação de doadores voluntários de sangue raros, cujo fator Rh é negativo. A medida visa melhorar o estoque e atender cirurgias programadas que, numa eventual necessidade, utiliza as bolsas em transfusões sanguíneas.
Desde a semana passada o Serviço de Captação da unidade, em parceria com o Banco do Estado de Sergipe (Banese), atua na convocação de doadores através de ligações telefônicas. Aqui no Hemose estamos convocando doadores cadastrados no serviço com sangue A negativo e call center do Banese está convocando os sangues, O negativo, explicou a assistente social, Jacinta Cardoso.
Na manhã desta terça-feira, 23, compareceram ao Hemocentro de Sergipe três doadores convocados com sangue O negativo. Dentre eles, o funcionário público, José Wellington de Oliveira, 46 anos, doador voluntário há pouco mais de duas décadas, que contribui com o serviço pelo menos duas vezes ao ano.
Ele conta que resolveu ser doador de sangue para ajudar na cirurgia da irmã de um amigo. Na época, me disseram que eu tinha que ser doador porque meu sangue é raro e podia ajudar muitas pessoas que necessitam de transfusão nos hospitais?, disse José Wellington.
Para o funcionário público, com o gesto simples da doação é possível aliviar a dor e o sofrimento de quem precisa. Quando a assistente social explicou que tem uma paciente que vai fazer uma cirurgia e precisa de seis bolsas de sangue O negativo, não pensei muito. Espero não precisar, mas sei que com a minha doação já estou ajudando, comenta.
Serviço
O Hemose está localizado na Avenida Tancredo Neves, vizinho ao Hospital de Urgências de Sergipe (Huse). A coleta de sangue funciona diariamente de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 17h e, aos sábados e feriados, das 8h às 12h. Os cidadãos interessados em contribuir com o serviço deverão entrar em contato com o Serviço de Social, através dos telefones (79) 3225-8000 e 3259- 3174.
Fonte: Ascom 

Hemoal está com apenas 33% do estoque mínimo necessário

O Hemocentro de Alagoas (Hemoal) está com apenas 33% do estoque mínimo de sangue necessário para atender a demanda transfusional dos hospitais e maternidades do Estado. Segundo o Centro de Processamento de Dados (CPD) da Hemorrede Pública de Alagoas, das 300 bolsas de sangue necessárias, às 13 horas desta terça-feira (23) só havia 101.
Uma situação que preocupa a direção do Hemoal, já que pode faltar sangue para atender os feridos por arma branca e de fogo, além das vítimas de acidentes de trânsito e os pacientes hematológicos. “Infelizmente apenas 2% dos alagoanos com idade entre 16 e 67 anos são doadores permanentes. Como o sangue não é fabricado artificialmente, ocorre diminuição no estoque”, informa a diretora do orégão, Verônica Guedes.
Ela ressalta que doar sangue é um gesto que não traz problemas à saúde. Primeiro porque o sangue é reposto pelo organismo e não há risco de contaminação, já que o material utilizado é totalmente descartável, atendendo a determinação da Agencia Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).
Onde doar – Os candidatos à doação de sangue podem se dirigir ao Hemoal Trapiche, que funciona de segunda a sexta-feira, das 7h às 18h, e aos sábados, das 8h às 12h. Caso prefiram, podem se deslocar até o Hemoal Farol, localizado no Hospital do Açúcar, que atende de segunda a sexta-feira, no horário das 8h às 11h.
Para os voluntários do interior, as doações podem ser realizadas no Hemocentro Regional de Arapiraca (Hemoar). O órgão funciona de segunda a sexta-feira, das 8h as 12 e das 14h às 18h, na Rua Geraldo Barbosa, no Centro de Arapiraca.
Quem pode doar – Para doar sangue, o voluntário não pode ter contraído doença de Chagas, Aids, sífilis e hepatite após os 10 anos. É imprescindível ter idade entre 16 e 67 anos, no mínimo 50 kg e portar um documento de identificação com foto.
No caso dos menores de 18 anos, é necessário estar acompanhado dos pais ou portando um documento de identificação oficial e original dos pais, além de uma autorização formal, cujo formulário pode ser baixado no site www.saude.al.gov.br/hemoal. Para repetir o procedimento, os homens devem respeitar um intervalo de dois meses, e as mulheres ficam impossibilitadas durante três, além de serem impedidas se estiverem gestantes ou amamentando.

Hemoap está com estoque de sangue zerado em Macapá

O Instituto de Hematologia e Hemoterapia do Amapá (Hemoap) registra um dos piores momentos do hemocentro neste mês de férias. A redução das doações de sangue causou a diminuição dos estoques de bolsas de sangue. Normalmente são coletadas 40 doações por dia. Este número caiu para 20 doações em julho. Os sangues do tipo O+, B- e AB- estão com o estoque zerado. As bolsas de sague da instituição atendem à rede hospitalar pública e privada do estado.
Segundo a direção do Hemoap, as bolsas de sangue arrecadadas neste período já possuem destinação certa. "As pessoas que estão doando neste período doam solidariamente para ajudar amigos e parentes que precisam de determinado tipo de sangue", explicou Marilda Ferreira, chefe do setor de captação de sangue do hemocentro.

A chefe de captação confirmou a falta de bolsas de sangue. "Nosso estoque diminuiu rapidamente este mês, estamos fazendo o contato com as pessoas que estão cadastradas no hemocentro, mas a maioria está viajando de férias, o que dificulta o reabastecimento", disse Marilda.

A dona de casa, Maria Deuzenir, 55 anos, está internada no Hospital de Clínicas Alberto Lima, em Macapá, precisando com urgência do sangue tipo B-. "Minha sogra teve uma complicação, ela tem hepatite C, está em coma e aguarda para fazer um transplante de fígado", disse Sidilene Melo, nora da dona de casa.
Marilda Ferreira lamentou a falta de bolsas de sangue raros e ainda os mais comuns como os do tipo O+, B- e AB-. "Essa senhora, por exemplo, está precisando do sangue B-, mas infelizmente ainda não conseguimos identificar um voluntário para fazer a doação", exemplificou Marilda.
Para fazer uma doação de sangue, o voluntário precisa ter idade mínima de 18 anos e máxima de 65, pesar mais de 50 quilos e estar saudável. “A pessoa pode se dirigir ao prédio do Hemoap para doar. Não beber ou fumar antes da doação e não ser portador de doenças como HIV, sífilis, hepatites é fundamental para que a transfusão seja realizada com segurança”, esclareceu Marilda.
Serviço
O Hemoap funciona das 7h às 13h, na Av. Raimundo Álvares da Costa, no Centro.


sábado, 20 de julho de 2013

TALIA NÃO ESTÁ MAIS CONOSCO

CAMPANHAS CONTRIBUÍRAM PARA O AUMENTO DAS DOAÇÕES DE SANGUE

As campanhas realizadas na cidade para aumentar o número de doações de sangue nessa época do ano como a da Comissão dos Jovens Advogados do Brasil e do Bombeiro Sangue Bom já começaram a surtir efeitos. Segundo a bióloga responsável pelo hemonucleo do Banco de Sangue da Santa Casa, Débora Guastalli, o número de doações já melhorou.

“Devido às campanhas realizadas pelo pessoal da OAB e pelo Corpo de Bombeiros através da Campanha Bombeiro Sangue Bom, já tivemos um aumento considerável no número de doações de sangue”, falou a Débora.

Ainda de acordo com a bióloga as doações caem nessa época do ano devido às férias e ao frio. “Todo acontece essa queda de doações nesse período do ano, quando muitas famílias vão viajar devido às férias e ao tempo frio também”, disse.

As campanhas seguem até o final do mês e qualquer pessoa que esteja bem de saúde, e comparecer ao banco de sangue com documento original com foto, pesar acima de 50 kg, ter entre 18 e 67 anos, tenha feito uma refeição antes da doação, tenha descansado pelo menos 6h na noite anterior, não tenha ingerido bebida alcoólica pelo menos 12h antes, nem fumado pelos menos 2h antes, e não tenha ingerido alimentos gordurosos pode ser um doador.

Só não podem ser doadoras pessoas que contraíram hepatite após os 10 anos de idade, grávidas, mães que ainda estejam amamentando, pessoas expostas a doenças transmissíveis como HIV, hepatite, doença de chagas, usuário de drogas e pessoas que mantém relacionamento com múltiplos parceiros.


Fonte: Jornal Folha do Povo (Tupã)

MAIS UMA GUERREIRA SE VAI

PEDRINHO PRECISA DE DOADORES DE SANGUE COM URGENCIA


AMIGOS ,VENHO PEDIR QUE DOEM  SANGUE PARA  O PEDRINHO COM ¨URGÊNCIA !

O NOME DELE E Pedro Henrique Carvalho Correia De Lima .O ENDEREÇO DO HOSPITAL A.C.CAMARGO RUA PROF.ANTÔNIO PRUDENTE,211-LIBERDADE SÃO PAULO HORÁRIO DE SEGUNDA A SEXTA DE 8:00 AS 17:00 HS AI TEM OUTROS HOSPITAIS QUE PODEM TAMBÉM SER FEITA A DOAÇÃO:
 HOSPITAL DO CORAÇÃO RUA ABÍLIO SOARES,176- PARAISO O HORÁRIO E O MESMO ,HOSPITAL PROF. EDMUNDO VASCONCELOS RUA BORGES LAGOA 1450-VILA CLEMENTINO . 
FAVOR INFORMAR QUE A DOAÇÃO É P/  PEDRINHO,DE  O NOME DELE COMPLETO E O HOSPITAL QUE ELE ESTÁ .

OBRIGADA!

JOSÉ ALVES DOS SANTOS PRECISA DE DOAÇÃO DE PLAQUETAS




Universidade Federal de Santa Catarina
Hospital Universitário Polydoro Ernani de São Thiago
Campus Universitário, s/nº, Trindade - Florianópolis - SC - Caixa Postal 5199
CEP 88040-900 - CNPJ 83.899.526/0004-25 / Fone/FAX: +55 (48) 3721-9100/3721-8354


RAFAEL VALENTIM CONSEGUIU DOADOR



PEDIDO DE ORAÇÃO PARA MIQUEIAS

ATENÇÃO TIPO SANGUINEO (O-)


ATENÇÃO TIPO SANGUINEO (O-)
Acabei de receber a ligação da minha médica pedindo com URGENCIA para que eu divulgasse aos interessados da região de Campinas S.P a necessidade e a falta deste tipo sanguineo O-
Doadores e novos solidários por favor procure...

HEMOCAMP (Banco de Sangue da Casa de Saúde)
Rua Irmã Serafina 308 Centro. Informações fone 19-32352259
Horário 8 as 11 da manhã e não precisa estar em jejum. Apenas evite alimentos gordurosos


 "Esta linda menina è a Bruna Dombroski,amiga de meu filho Andrey
Furtado Pescador ela está em estado gravíssimo.Hoje eles fizeram

uma sessão de químio juntos,ela é portadora de tumor AsKin Metástico e precisa urgentemente de ser internada no Hospital de Porto Alegre.Por favor Alguém pode ajuda-la?Ela está internada no Hospital do Câncer de Mato grosso.Meu DEus essa menina me ligou pedindo socorro.Essa foto foi tirada hoje e segundo ela foi dito a sua mãe Vilma Dombroski que ela pode morrer a qualquer hora.Como assim?Esse rosto lindo não é de alguém a beira da morte.Ela merece viver...Ela precisa viver...Ela quer viver.Nos ajudem!!!!!! o cel da mãe é (066)99812968 (066)96075444

FONTE>>https://www.facebook.com/Anjosdamedula

Transplante de medula não sai por falta de leito

Doador de 27 anos mora na Alemanha e só virá a Ribeirão quando estiver tudo certo


F.L.Piton / A Cidade
Pedro já conseguiu o mais difícil, que foi controlar a doença e encontrar um doador, mas terá de esperar por um leito para fazer o transplante (Foto: F.L.Piton / A Cidade)
Pedro Lemos Sanches só tem 2 anos mas já venceu grandes batalhas. Diagnosticado com leucemia desde outubro do ano passado, ele e a família conseguiram controlar a doença com quimioterapia e encontraram um doador de medula óssea 100% compatível com a criança, na Alemanha. No entanto, a escassez de leitos no Hospital das Clínicas, para realização do transplante, barra a sua chance de cura.
“O retorno do Pedro está marcado para dois meses. Só então vou ter uma posição de quando vão realizar o transplante, mas me disseram que só há um leito para crianças”, explica a mãe Nara Sanches Lemos. 
Segundo ela, o mais angustiante da espera é o risco que o filho corre de a leucemia voltar. Os médicos disseram que o doador da Alemanha, de 27 anos, é compatível e só será notificado para poder realizar ou não a doação só quando tudo estiver pronto no HC.
“A doença está sob controle, mas se ela voltar ele vai ter que passar por todo o sofrimento do tratamento de quimioterapia de novo”, argumenta a mãe.
Pedro é forte. Mesmo tendo feito a última sessão de quimioterapia no sábado passado, ele não dá sinais da doença, além da carequinha, que é mais um charme do que sinal de câncer.
Mas a mãe teme que a demora em encontrar o leito, possa por tudo a perder. “As chances de encontrar um doador compatível pelo tipo de leucemia que ele tem é de uma para 500 mil. Graças a Deus tudo está controlado, mas não sei o dia de amanhã”, explica.
Ela salienta que não quer tirar a vez de ninguém para o filho passar na frente. “Só queria que houvesse mais agilidade, que tivessem mais leitos”, explica.
O leito para o paciente de transplante não tem rotatividade alta, uma vez que o paciente o ocupa por mais de um mês, dependendo de cada caso.
HC prevê 3 meses de espera
Em nota, o Hospital das Clínicas de Ribeirão Preto diz que a instituição conta com seis leitos disponíveis para transplante de medula, mas dois deles estão destinados à reinternação.
O documento informa, ainda, que está em estudo um projeto que prevê o aumento do número de leitos, mas não diz qual será o número final de camas ou o prazo para a sua instalação.
Sobre o paciente Pedro Sanches, a nota diz que ele está aguardando para realizar o procedimento de transplante de medula e que a previsão é de que o procedimento ocorra dentro de um prazo máximo de 3 meses.

sexta-feira, 19 de julho de 2013

Ceará realiza 21 transplantes de medula óssea

Entre janeiro e junho deste ano, o Ceará realizou 21 transplantes de medula óssea. O índice supera a quantidade de procedimentos realizados no mesmo período do ano passado, quando foram feitos dez transplantes. As informações são do Registro Brasileiro de Transplantes (RBT), publicação oficial da Associação Brasileira de Transplantes de Órgãos (ABTO).

Segundo informações divulgadas pela Secretaria de Saúde do Estado do Ceará (Sesa), o Ministério da Saúde (MS) aprovou um projeto para habilitação de transplante alogênico no Estado, no valor de R$ 1,4 milhão. Na modalidade alogênica, o material utilizado no transplante provém de um outro indivíduo (doador), parente ou não. Atualmente, os transplantes de medula óssea realizados no Ceará são autólogos (quando o material utilizado provém do próprio paciente).

O recurso de R$ 1,4 milhão está sendo utilizado na obra de ampliação da unidade de transplantes de medula óssea do Hospital Universitário Walter Cantídio (HUWC), que passará dos atuais quatro leitos para oito. A intervenção será concluída até o final de 2013.
Nos primeiros seis meses desse ano, o Ceará fez 554 transplantes, incluindo 127 de rim, 12 de coração, 88 de fígado, 282 de córnea, sete de esclera e um de osso. Também foram realizados 13 transplantes de pâncreas (nove transplantes simultâneos de rim e pâncreas, dois de pâncreas isolado e dois de pâncreas pós-rim). O número de intervenções no pâncreas já é igual ao total de procedimentos realizado durante todo o ano de 2012.
No início do ano, o Ceará já havia conquistado posição inédita no País em transplantes de pâncreas. No RBT, o Estado apareceu em primeiro lugar no Brasil em transplantes de pâncreas por milhão da população (pmp) no primeiro trimestre de 2013. Com sete transplantes simultâneos de pâncreas e rim, o Ceará havia realizado até março 3,3 transplantes pmp, superando o Paraná, com 2,7, e São Paulo, 1,4.
Doações
Em doações, a meta do Brasil em 2013 é chegar aos 14,5 doadores pmp, número já superado pelo Ceará. Em 2012, o Estado fechou o ano como terceiro do Brasil em doadores efetivos, com 21,4 doadores pmp. No primeiro trimestre deste ano, a posição foi confirmada. Por milhão da população, o número de doadores efetivos foi de 28 no Distrito Federal, 21,1 em Santa Catarina e 20,4 no Ceará. Em todo o País, o número foi de 12,6. Na efetivação das doações, o Ceará teve no primeiro trimestre do ano 42 doadores com órgãos transplantados (171 em 2012), índice de 19,9 doadores pmp.
Fonte: Redação O POVO Online com informações da Secretaria de Saúde do Ceará (Sesa)

Pai entra na justiça para garantir tratamento do filho, em Cacoal, RO

Alejandro e a irmã andando de bicicleta antes da doença (Foto: Arquivo pessoal)

Apesar de ter apenas 11 anos, o pequeno Alejandro Bayá Pitwak, já sofre com as consequências de uma doença que nem mesmo possui um diagnóstico preciso, segundo a família. A doença é degenerativa, com o transplante de medula óssea e as tentativas de tratamento, a família já gastou mais de R$ 500 mil. Para dar continuidade, o pai Estanislau Pitwak Júnior, está buscando através da justiça tratamento oferecido pela Prefeitura deCacoalx (RO). O secretário de saúde disse que o tratamento de Alejandro é de alta complexidade e não compete ao município.
De acordo com o pai, Alejandro era uma criança sem problemas e se desenvolvia normalmente. Os problemas começaram a ser percebidos em abril de 2012, na escola. “O Alejandro não estava conseguindo encontrar seu lugar em sala de aula e nem resolver atividades simples”, conta Estanislau, lembrando que durante um passeio com a família para a praça, Alejandro teve um ataque de pânico por ter se perdido. “Ficou desesperado por achar que havia nos perdido, mas na realidade estávamos o tempo todo ao seu lado”. Nesse dia o pai teve certeza que havia algum problema com o filho. O avanço foi rápido e em menos de oito meses a criança já não enxergava, não falava e nem andava.
Peregrinação
Desde então, começou a peregrinação dos pais com Alejandro para descobrir o problema. Em Porto Velho foi realizado uma ressonância magnética, onde detectou a suposta doença de Adrenoleucodistrofia. “Quando saiu o suposto diagnostico o médico disse que não sabia da doença, pois comparou a imagem do exame com o livro, mas que não sabia falar nada sobre a patologia, por nunca ter visto caso parecido”, contou Estanislau.
  •  
Alejandro e a mãe Daniela Bayá (Foto: Magda Oliveira)Alejandro e a mãe Daniela Bayá
(Foto: Magda Oliveira)
Além de Porto Velho, os pais levaram Alejandro para São Paulo e Curitiba, mas os hospitais e clinicas procuradas se negaram a realizar o tratamento. “Nesse momento o chão caiu, nós começamos a realizar os primeiros contatos e pedir ajuda financeira de amigos e familiares”, recorda. A família ainda tentou levar Alejandro para os Estados Unidos e França, para realizar o autotransplante de medula óssea, mas a família não conseguiu chegar nem a fazer a entrevista. “Quando dizíamos que o motivo era urgência por se tratar de doença, já éramos reprovados”.
O autotransplante de medula óssea no Alejandro foi realizado em dezembro de 2012, na cidade de Londrina (PR), em clínica particular. “Isso não é a cura, é um meio paliativo que ninguém sabe até que ponto tem eficácia, mas estamos tentando todas as possibilidades de cura para nosso filho”, afirma o pai.
Processo
Após realizarem o autotransplante de medula óssea e constatar grandes melhoras na recuperação do filho, como maior percepção de estímulos, reações nos olhos e tentativas de falas, a família retornou para Cacoal, em março, mas sem dispor de recursos para oferecer a Alejandro o tratamento necessário, Júnior entrou na justiça com uma ação civil pública de obrigação de fazer, contra a Prefeitura de Cacoal para garantir o tratamento ao filho.
Alejandro já doente, recebendo tratamento de neuroacustica (Foto: Arquivo pessoal)Alejandro já doente, recebendo tratamento de
neuroacustica (Foto: Arquivo pessoal)
“O pedido foi feito junto ao direito da criança, no mês de junho. Nós não estamos pedindo tratamento e sim a parte paliativa que engloba fisioterapia, nutrição especial, acompanhamento multidisciplinar”. No processo o pai está solicitando R$ 59 mil por mês para a prefeitura.
Ao G1, o secretário de saúde Júlio Cesar da Rocha, contou que o pai de Alejandro solicitou da prefeitura R$ 708 mil por ano, para a manutenção do filho. “Estamos contestando pontos do processo, pois uma criança que foi levada para redes de altas complexidades e foi comprovada dificuldade para manter um tratamento, para o município realmente é inviável. As medidas seriam paliativas, pois não há cura para a doença do Alejandro”, afirma.
De acordo com o secretário a visão precisa ser geral, pois não há apenas uma criança no município com problemas. “Temos que pensar no comprometimento que o município vai sofrer se tivermos que pagar essa conta”, avalia o secretário, afirmando que não há no município outros casos diagnosticados de Adrenoleucodistrofia.
O secretário diz que Cacoal é um município pobre e que não oferece atendimentos de home care (atendimento domiciliar) e que a obrigação da prefeitura é oferecer atendimento de rede básica e pronto-socorro e não de alta complexidade, como é o caso do Alejandro. Altas complexidades devem ser tratadas pelo Governo do Estado, segundo Júlio.
O parecer final da Secretaria de Saúde, é que a partir do momento que o tratamento for fornecido para um, terá que ser fornecido para todos. “Isso iria inviabilizar o atendimento da secretaria de saúde e não haveria porque ter secretaria, secretário e tudo mais e seria tudo gerido por mandato de segurança”, desabafa Júlio.
De acordo com o procurador do município Marcela Pena, após analisar o processo e verificar que alguns pedidos não são de competência do município, irá recorrer para o Tribunal de Justiça, para que caso entendam, a prefeitura seja eximida de cumprir as obrigações. Posteriormente no momento da defesa, a prefeitura irá chamar o Estado e a União para que se responsabilizem naquilo que for cabível. O prazo da prefeitura para recorrer do processo, vence no dia 22 de julho.

Campanha de doação de sangue será na sexta-feira

Campanha de doação de sangue será na sexta-feira

Neste fim de semana acontece no município de São Gabriel do Oeste a campanha de doação de sangue e medula da Hemorrede-MS/Hemosul.
 
A campanha será realizada na sexta (19) das 14h às 18h e sábado (20) das 7h às 11h, no Anexo Centro de Especialidades Médicas do Hospital Municipal, na rua João Evangelista, 1156. A expectativa é de coletar 180 bolsas.
 
Para doar sangue é preciso ter entre 16 e 67 anos de idade, pesar no mínimo 55 kg, portar um documento oficial com foto, estar bem alimentado e com boa saúde, além de não consumir bebida alcoólica nas últimas doze horas.
 
Para doar medula a idade solicitada é de 18 a 55 anos e o cadastro é realizado uma única vez na vida, sendo que os dados ficam armazenados no sistema do Ministério até aos 60 anos, idade limite para efetivar a doação da medula quando ocorre compatibilidade que é rara, uma em cada cem mil pessoas no Brasil e uma em cada um milhão de pessoas em termos mundiais.

Base de Bombeiros promove campanha de doação de sangue

O Corpo de Bombeiros realiza até o dia 31 de julho, em todo o Estado de São Paulo, a 10ª edição da Campanha “Bombeiro Sangue Bom”, com o objetivo de conseguir o maior número de doações possíveis para ajudar os bancos de sangue paulistas. 

Em Valentim Gentil, a campanha será realizada no dia 24 de julho (quarta-feira), das 16h às 22h, na Escola Municipal de Ensino Fundamental (EMEF) “Vicente Santoro”, localizada na Rua Cidadão João Novaes, nº 7-47, Centro. 

Segundo o Sargento Sérgio Rodrigo Ramalho Matta, Comandante da Base Comunitária do Corpo de Bombeiros do município, a meta é conseguir 130 doações de sangue, que serão direcionadas para o Hemocentro de Fernandópolis. Como forma de agradecimento, foram confeccionados 130 bonés, que serão entregues para os doadores. 

“A doação é muito importante, não traz nenhum prejuízo à saúde do doador e ainda ajuda a salvar vidas, amenizando a necessidade dos bancos de sangue, que necessitam recorrer aos estoques, muitas vezes baixos, para atender às pessoas que precisam de transfusão”, destaca o Sargento Matta. 

Requisitos para doar 

Para realizar a doação, é necessário ter entre 18 e 65 anos, pesar mais de 50 quilos, estar clinicamente saudável, evitar alimentos gordurosos nas 4 horas que antecedem a coleta do sangue, alimentando-se bem no dia, e portar um documento de identificação com foto. 

As pessoas que doaram sangue recentemente só poderão doar novamente caso a última coleta tenha sido em 60 dias, no caso dos homens, e 90 dias, no caso das mulheres. 

Antes da doação, a pessoa é submetida a uma triagem, que busca neutralizar os riscos de transmissão de doenças para os pacientes que recebem transfusões de sangue. Em seguida, são realizados testes no sangue coletado.
http://www.regiaonoroeste.com/portal/materias.php?id=49439
fonte>>

Estudo indica obesidade o maior risco da osteoporose

A osteoporose costuma ser diagnosticada em pessoas com mais idade

Uma pesquisa de cientistas americanos indica que a obesidadepode aumentar o risco de uma pessoa desenvolver a osteoporose, doença em que há um enfraquecimento dos ossos, o que leva a um risco maior de fraturas. Os pesquisadores da Faculdade de Medicina da Universidade de Harvard descobriram que pessoas que têm mais gordura no fígado, tecidos musculares e no sangue têm também mais gordura na medula óssea, o tecido esponjoso dentro dos ossos onde surgem as células responsáveis pela formação óssea.
Para chegar à conclusão, uma equipe de cientistas fez exames de ressonância magnética em 106 homens e mulheres de entre 19 e 45 anos, considerados obesos, mas saudáveis.
A conclusão é que há uma relação entre a maior presença de gordura no fígado e nos músculos e a existência de mais gordura na medula óssea ─ independentemente do índice de massa corporal, da idade ou da quantidade de exercícios físicos que a pessoa diz fazer.
‘Ossos gordos’
Segundo Miriam Bredella, que liderou o estudo, “antigamente se pensava que a obesidade ajudava a proteger contra o enfraquecimento dos ossos”, disse Bredella. “Nós descobrimos que isso não é verdade.”
- No nosso estudo, nós nos concentramos na gordura da medula óssea porque é lá que nossas células-tronco podem se transformar em osteoblastos as células responsáveis pelos ossos ou em células de gordura.
- A presença de gordura na medula óssea faz com que os ossos fiquem fracos. Se você tem uma coluna vertebral que está cheia de gordura, ela não será tão forte – disse a cientista.
Ainda de acordo com Bredella, as pessoas cujo corpo tem o formato de uma maçã, com a gordura localizada em volta da cintura, podem ter um risco maior de desenvolver a doença nos ossos.
Como não podemos escolher para onde vão os quilos a mais e a gordura, a única possibilidade de minimizar esse risco seria permanecer em forma, disseram os pesquisadores responsáveis pelo estudo.
A pesquisa foi divulgada na publicação científica Radiology.