segunda-feira, 12 de agosto de 2013

Transplantes de medula neste ano já iguala a todo ano de 2012

O Ceará iniciou o mês de agosto igualando o recorde de transplantes de medula óssea registrado em 2012. Até o início de agosto, foram realizados este ano 26 transplantes, mesmo número que todo o ano passado. E o novo recorde já tem data para ser registrado – dia 16 de agosto, para quando está agendada a realização de mais um transplante, um dos três ainda previstos para este mês. 


Desde que o Centro de Hematologia e Hemoterapia do Ceará (Hemoce) iniciou com o Hospital Universitário Walter Cantídio a realizar transplantes de medula óssea em setembro de 2008, o Ceará realizou um total de 91 procedimentos.

O chefe da equipe médica de transplante do Hemoce, Fernando Barroso, atribui o sucesso dos transplantes de medula no Ceará à parceria com o hospital da Universidade Federal do Ceará (UFC). É lá que funciona o serviço de hematologia clínica que atende a população de todo o Estado, com uma equipe de 19 médicos do Hemoce e do Hospital Universitário. No ano passado, entre triagens e consultas, foram realizados 6,5 mil atendimentos e, em 2013, até julho, haviam sido realizados 4 mil atendimentos.

O Ministério da Saúde aprovou o projeto para habilitação de transplante alogênico, no valor de R$ 1,4 milhão, recurso utilizado na obra de ampliação unidade de transplantes de medula óssea do Hospital Universitário, que passará dos atuais quatro leitos para oito. A obra está sendo concluída e, até dezembro, segundo Fernando Barroso, o Ceará deverá realizar o seu primeiro transplante alogênico. O Hospital Albert Einstein, de São Paulo, será parceiro do Hemoce, como unidade de suporte para contra-referência. 

O transplante de medula óssea é um tipo de tratamento para algumas doenças que afetam as células do sangue, como leucemia e linfoma. Consiste na substituição de uma medula óssea doente, ou deficitária, por células normais de medula óssea, com o objetivo de reconstituição de uma nova medula saudável. O transplante autólogo é aquele em que o paciente recebe células sadias da própria medula. No transplante alogênico a medula vem de um doador. O transplante também pode ser feito a partir de células precursoras de medula óssea, obtidas do sangue circulante de um doador ou do sangue de cordão umbilical. No Hemoce, o Banco de Sangue Umbilical e Placentário do Ceará, o único em toda a região Nordeste, está com 60 amostras preservadas, com disponibilidade para transplante de 90%, bem acima da média nacional, que é de 50%.

Fonte: Sesa

Nenhum comentário:

Postar um comentário