sexta-feira, 20 de setembro de 2013

Depois de encontrar doadora, jovem de MG sofre com plano de saúde

Gabriel Massote está emocionado com a notícia e aguarda o transplante (Foto: Gabriel Massote/Arquivo Pessoal)

“Estava bom demais pra ser verdade”. Esta foi a frase usada pelo uberlandense Gabriel Massote ao se referir do transplante de medula óssea, que aguarda desde 2011, quando descobriu que tinha leucemia.Recentemente ele conseguiu uma doadora 100% compatível e quando tudo parecia estar no caminho certo, o jovem disse ter sido surpreendido pelo plano de saúde, que o fez trocar de hospital às vésperas do transplante. Por meio de nota, a Unimed Goiânia esclareceu que tem assegurado assistência médico-hospitalar ao beneficiário, em hospital apto a realizar o tratamento indicado, integrante de sua rede credenciada, além de se empenhar sempre na busca da melhor alternativa, dentro da cobertura do plano de saúde contratado.
Gabriel contou ao G1 que desde que foi diagnosticado com a doença enfrenta problemas com a Unimed. Ele é cliente da empresa desde 2006, quando ainda morava em Uberlândia. Em 2011 ele mudou para Goiânia e transferiu o plano para a nova cidade. No mesmo ano, descobriu o câncer, durante exames de rotina.

Durante o tratamento, Gabriel explicou que todos os procedimentos (exame de medula, transfusão de plaquetas, tomografia, entre outros) que tinha de fazer foram negados pelo plano. A família do jovem teve que arcar com os gastos, que ultrapassaram R$ 300 mil e para isso a mãe do garoto teve que vender o apartamento onde morava. O jovem entrou com uma primeira ação na justiça e, segundo ele, a Unimed reconheceu a responsabilidade pelos valores já gastos, fazendo acordo para devolver o dinheiro. 
A juíza Heloísa Silva Mattos, em atuação na 4ª Vara Cível de Goiânia, mandou a Unimed autorizar, em 24 horas, a internação do jovem no Hospital Sírio Libanês, em São Paulo (SP), para realização de transplante de medula óssea. Por meio da decisão liminar, a Unimed ficou responsável por todas as despesas relacionadas ao transplante, incluindo medicamentos, taxas, honorários médicos e qualquer outra despesa devida ao transplante.
O jovem já estava sendo acompanhado por uma médica do Sirio Libanês, que conhecia o histórico do paciente e suas limitações. A Unimed recorreu da decisão liminar e Gabriel teve que sair do hospital onde estava e procurar um novo local de internação, faltando pouco tempo para a realização do transplante. Fato que deixou o uberlandense indignado e ele acabou levando mais uma história para a internet (por meio do blog “Transplantando” e para as redes sociais. Por dia, mais de 15 mil visitas são registradas no blog e na postagem sobre o plano de saúde já existem quase 200 comentários.

Para o G1, Gabriel Massote disse que desde que saiu do Sírio Libanês recebeu uma lista de 10 hospitais credenciados pela Unimed e que poderiam fazer o transplante. Ele afirmou que teve que ligar e correr atrás de uma vaga e que o plano não deu auxílio nessa busca. “Das dez opções que eles me deram, oito só tem vaga para o fim de 2014 ou início de 2015. Dos outros dois restantes, um não faz a cirurgia e o outro é onde estou internado no momento. Mesmo debilitado, tive que correr atrás de um hospital porque o que era mais difícil, eu já havia conseguido – a doadora. Agora, é conhecer um novo médico e começar todo o procedimento novamente”.
Gabriel teve que mudar de hospital a dias de fazer o transplante (Foto: Gabriel Massote/Arquivo Pessoal)Gabriel teve que mudar de hospital a dias de fazer o transplante (Foto: Gabriel Massote/Arquivo Pessoal)
O jovem ainda salientou que mesmo depois de encontrar um novo hospital, que estava na lista dos dez possíveis da Unimed, ele teve que retardar a internação por dois dias, pois a diretoria não liberou de imediato o local. Ele está se recuperando de uma quimioterapia e era para ter internado na segunda-feira passada. O procedimento aconteceu somente na quarta-feira (18).
Gabriel Massote recorreu novamente à Justiça e na próxima quinta-feira o processo será analisado. Ele gostaria de fazer o transplante onde fez todo o tratamento, no Sírio Libanês. “Não é capricho, mas é uma questão de bom senso. Venho sendo tratado a anos por uma médica e de uma hora para outra sou obrigado a procurar outro, se quiser ter a cobertura do plano de saúde. É uma vida que está em jogo e ela não pode ser jogada de um lado para o outro”, desabafou.
Posicionamento Unimed
Por meio de nota, a Unimed informou que desde 11 de setembro, o beneficiário encontra-se em tratamento no Instituto Brasileiro de Controle do Câncer (IBCC), em São Paulo, atendimento que poderia ter sido viabilizado, sem qualquer necessidade de acionamento da via judicial.
Entretanto, o beneficiário optou por realizar o transplante de medula óssea no Hospital Sírio Libanês (HSL), unidade de saúde que não integra a rede credenciada da Cooperativa, ingressando, para tal desiderato, com ação judicial em desfavor da Unimed Goiânia. Por meio dessa ação, obteve liminar que o autorizou a realizar o transplante no Hospital Sírio Libanês, ordem judicial que foi cumprida pela Unimed no dia subsequente (19 de julho) ao do seu recebimento.

Todavia, ciente de estar amparada pelo contrato firmado com o beneficiário e pela Lei dos Planos de Saúde, a Unimed Goiânia submeteu a questão ao Tribunal de Justiça do Estado de Goiás, que reconheceu o fato de o Hospital Sírio Libanês não integrar a rede credenciada do plano, e suspendeu, via de consequência, mas parcialmente, os efeitos da liminar, determinando que o tratamento médico do beneficiário fosse realizado em um dos hospitais de sua rede de atendimento. Desde então, o processo está suspenso, aguardando novo despacho judicial.

Por essa razão, a  Unimed Goiânia está obrigada a cobrir o tratamento/transplante somente em um dos hospitais de sua rede credenciada, o que vem sendo sistematicamente garantido, com a internação de Gabriel Massote, pelo plano de saúde, no Instituto Brasileiro de Combate ao Câncer (IBCC), em São Paulo, unidade de referência no tratamento oncológico, com 45 anos de serviços prestados à população.

Ainda segundo a nota, o hospital citado, conveniado à Unimed, atende a todas as necessidades do paciente oncológico.

Contradição
Mesmo a Unimed afirmando, por meio de nota, que o Sírio Libanês não integra a rede credenciada do plano, o site do hospital traz a empresa na lista dos planos de saúde aceitos. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário