segunda-feira, 28 de outubro de 2013

Campanha em rede social para ajudar bebê mobiliza interior do RJ

Ícaro precisa de um doador de médula óssea. Família diz que não vai parar até encontrar alguém.  (Foto: Ivo Prevatto/Arquivo pessoal)

São Pedro da Aldeia, na Região dos Lagos do Rio de Janeiro, está mobilizada por uma causa nobre. Uma equipe do Hemorio está na cidade para captar doadores de medula. A campanha foi motivada pela família de Ícaro, um bebê de apenas um ano, que tem "imunodeficiência combinada grave" e precisa de um transplante de medula. Ivo Prevatto, de 25 anos, é pai do menino, e disse que não vai parar a campanha até encontrar alguém que seja compatível com seu filho. " Estamos muito felizes com tanta gente ajudando. Não vamos descansar até encontrar a pessoa certa'', disse emocionado.
Evento foi criado no Facebook para divulgar dias e local para doações  (Foto: Reprodução /Internet)Evento foi criado no Facebook para divulgar dias e
local para doações (Foto: Reprodução /Internet)
Até às 15h30 desta sexta-feira (25), mais de 1000 pessoas já haviam se cadastrado para a doação -  entre moradores de São Pedro e cidades da região -,  que podem ajudar não só o pequeno Ícaro, como centenas de pessoas em todo o mundo. A captação continua neste sábado (26) das 8h às 17h, na sede do São Pedro Esporte Clube, no Centro de São Pedro da Aldeia. Durante todo o dia, Caroline Felix Simões Rosa, 24 anos, mãe de Ícaro, esteve presente no local e disse que ficou muito emocionada em ver tanta gente ajudando.
''Meu coração tá disparado. Estou muito emocionada com a quantidade de pessoas que vieram em um sexta-feira de sol, quando muitos poderiam estar na praia ou trabalhando. Só tenho a agradecer. O que eu puder fazer por cada uma delas, pode ter certeza que farei'', disse a mãe.
Família descobriu doença quando bebê estava com seis meses.  (Foto: Ivo Prevatto/Arquivo pessoal)Família descobriu doença quando bebê estava com
nove meses. (Foto: Ivo Prevatto/Arquivo pessoal)
O caso de Ícaro
Aos seis meses de idade, o pequeno Ícaro, que atualmente está um ano e três meses, ficou doente. Ele ficou internado de janeiro até julho de 2012, passando por hospitais de Araruama, na Região dos Lagos, e Bonsucesso e Botafogo, no Rio de Janeiro. O bebê teve infecções repetidas, resfriados fortes e falta de ar. Foram realizados diversos exames, mas o diagnóstico para imunodeficiência combinada grave só foi feito quando o menino tinha nove meses. 
Assim que a doença foi descoberta pelos médicos,  Ícaro teve que ficar em um quarto separado, sem contato com outras pessoas, pelo risco provocado pela baixa imunidade. Atualmente, ele faz infusão de imunoglobumina, enquanto não consegue alguém compatível para o transplante de medula.
Além de cartazes, a família do bebê também confeccionou blusas para divulgar ainda mais a campanha. Pedro Abreu, de 22 anos, também morador de São Pedro,  faz questão de andar pela cidade com a peça de roupa. Além de ajudar na campanha pela internet, ele pede ajuda dos amigos para propagarem a história.
Parente de Ícaro, Pedro Abreu usa camisa que ajuda na divulgação.  (Foto: Pedro Abreu/Arquivo pessoal)Parente de Ícaro, Pedro Abreu usa camisa que
ajuda na divulgação. (Foto: Pedro Abreu/Arquivo)
''Quanto mais gente a gente conseguir, mas chances o Ícaro vai ter. Não tem como não se envolver com essa história que,  com certeza, vai ter um final feliz'', declarou o rapaz, que trabalha como assistente jurídico. 
O pequeno Ícaro está na casa da avó, no Rio de Janeiro, onde seu tratamento é realizado. Os pais do bebê moram no bairro Porto da Aldeia, em São Pedro da Aldeia, cidade onde o menino nasceu e passou seus primeiros meses de vida.
Como ser um doador de medula
Para ser um doador de medula, é preciso ter entre 18 e 55 anos de idade e ter boa saúde. Durante o cadastro é coletada uma amostra de sangue (10 ml) para a tipagem de hla (características genéticas importantes para a seleção de um doador). Os dados do doador são inseridos em um cadastro e sempre que surgir um novo paciente, a compatibilidade será verificada. Uma vez confirmada a compatibilidade, o doador será consultado para decidir quanto à doação. O transplante de medula óssea é um procedimento seguro, realizado em ambiente cirúrgico, feito sob anestesia geral, e requer internação de, no mínimo, 24 horas.
Serviço:
A doação está acontecendo na sede do São Pedro Esporte Clube, no Centro de São Pedro da Aldeia. Na frente da praça do Canhão. 
Sexta-feira (25): de 8h às 17h
Sábado (26): de 8h às 17h
Doações em todo o país
É possível se cadastrar como doador voluntário de medula óssea nos Hemocentros nos estados. No Rio de Janeiro, além do Hemorio, o INCA também faz a coleta de sangue e o cadastramento de doadores voluntários de medula óssea, de segunda a sexta-feira, de 8h às 12h. Não é necessário agendamento. Para mais informações, ligue para (21) 3207-1580.
Fila foi formada dentro de clube para fazer doações.  (Foto: Ivo Prevatto/Arquivo pessoal)Fila foi formada por colaboradores dentro de clube para fazer doações. (Foto: Ivo Prevatto/Arquivo pessoal)
fonte>>http://g1.globo.com/rj/regiao-dos-lagos/noticia/2013/10/campanha-em-rede-social-para-ajudar-bebe-mobiliza-interior-do-rj.html

Um ano depois de transplante, mãe de João Bombeirinho inaugura ONG



Foi inaugurado na quinta-feira (24) em Maringá, no norte do Paraná, o Instituto João Bombeirinho, ONG criada pela família do menino João Daniel de Barros, de sete anos, símbolo da luta contra o câncer no Paraná. A cerimônia ocorreu exatamente um ano depois dele ter feito o transplante de medula óssea no Hospital de Clínicas (HU), em Curitiba. O garoto sofreu de leucemia durante três anos e ficou conhecido pelo sonho manifesto de se tornar bombeiro.

A ONG foi idealizada e será conduzida pela mãe de João, Ana Paula Estevam. O objetivo, segundo ela, é trabalhar na criação de campanhas para informar e incentivar a doação de medula óssea no Brasil. Para ela, as pessoas ainda sabem muito pouco sobre o procedimento e a doença. O instituto funcionará, a princípio, com 12 voluntários.

"Tive a ideia de criar a ONG em um momento de desespero. O João estava com várias infecções [em agosto de 2012], sem receber a medula, e a médica me disse que iria diminuir a dosagem da quimioterapia, porque ele não estava aguentando. Naquele momento, caiu a ficha que eu iria perder meu filho. Fiz uma promessa e, dez dias depois, recebi a notícia que tinham encontrado uma medula compatível. Agora, tenho que cumprir minha palavra, né?", diz a mãe, sorridente.

Ana conta que, mesmo com quase tudo pronto, teve de esperar para inaugurar o instituto, já que ainda precisava dedicar boa parte dos dias a João. A ONG se tornou realidade graças a doações e apoiadores financeiros.

"As pessoas acham que eu fiquei rica com toda essa história. Eu não fiquei. Sempre existe crítica. Se eu estivesse em casa, falariam que eu sou egoísta. Então, não ligo para isso. Vou construindo meu castelo com as pedras. Só eu sei o que passamos. Só eu ouvi os médicos várias vezes disseram que meu filho não passaria daquela noite", desabafa. "A doação não salvou só a vida do João, mas salvou a minha, a do meu marido, a dos irmãos dele. Preciso compartilhar isso".

Um ano depois de transplante, Bombeirinho tem vida comum

João está recuperado. Corre de um lado para o outro na sede do instituto, sobe escadas, conversa com todo mundo. Interrompe a entrevista várias vezes para perguntar sobra a cor da tinta do banheiro, para pedir um papel para desenhar, para comentar sobre a "letra feia" do repórter. Vive, segundo a mãe, uma rotina de uma criança comum há cinco meses.

Já são três meses frequentando a escola sem faltar. As notas são altas e elogios das professoras frequentes, ressalta Ana. "Ele é dedicado, tem sede de aprendizado. Tem algumas dificuldades para se socializar, o que é comum, mas está amadurecendo muito rápido. João está vivendo uma nova vida", orgulha-se a mãe, quando é, novamente, interrompida pelo menino. "Já estou no terceiro livro", comemora ele, pouco depois de exibir um papel onde escreveu o nome da escola em que estuda.

Bombeirinho ainda tem de tomar alguns cuidados, devido a rastros deixados por 18 cirurgias pelo corpo. Agora, porém, já aproveita os fins de semana para aprender a andar de bicicleta e escorregar com papelão no gramado do Estádio Willie Davids, na região central de Maringá. Também é, frequentemente, auxiliar de cozinha da mãe. "Ele ama fazer bolo à noite, para poder dormir mais tarde", revela Ana.

"João é minha ligação direta com Deus. Vivo a infância com ele, aproveito todos os momentos que ele tem desfrutado. O transplante mudou tudo. Quero me esforçar para ajudar a salvar outras vidas, outras famílias, mas João sempre vai ser minha prioridade máxima. Somos uma série de milagres", festeja.

Como doar medula óssea

Qualquer pessoa entre 18 e 55 anos que não tenha doença infecciosa transmissível pelo sangue pode fazer a doação. Basta procurar um Hemocentro mais próximo onde será coletada uma pequena quantidade de sangue (5 ml) e preencher um formulário com dados cadastrais.

Se for verificada compatibilidade com algum paciente cadastrado no Registro de Receptores de Medula Óssea, o doador é, então, convocado para fazer testes confirmatórios e realizar o procedimento.


fonte>>http://www.expressomt.com.br/nacional-internacional/um-ano-depois-de-transplante-mae-de-joao-bombeirinho-inaugura-ong-82359.html

Primeiro dia de campanha em prol a menino com leucemia tem apenas 50 cadastros



Apenas 50 pessoas se cadastraram como doadoras de medula óssea neste primeiro dia da campanha “Seja um herói, doe vida”, promovida pela UNIFEV, em parceria com o Hemocentro de Fernandópolis. 

A ação acontece em prol do menino João Pedro Azevedo, 6 anos, que, desde 2009, luta, bravamente, contra um tipo de câncer no sangue: a Leucemia. 

De acordo com os organizadores do evento, cerca de 150 cadastros eram esperados para este primeiro dia de trabalho. “Nós e o pessoal do hemocentro tínhamos uma expectativa maior em relação à quantidade de inscrições. Estávamos preparados para até 200 cadastros, mas esperamos atingir esse número na próxima quarta-feira, quando será realizada a segunda etapa da campanha”, afirmou a gerente acadêmica e membro do Comitê de Responsabilidade Social da UNIFEV, Cidinha Aoki. 

O cadastro para quem deseja se inscrever no banco nacional de doadores de medula óssea (Redome) poderá ser feito, novamente, no Câmpus Centro da Instituição, no dia 30 deste mês, das 16h às 22 horas. 

Os interessados só precisam ter entre 18 e 54 anos, gozar de boa saúde (não ter doença infecciosa ou incapacitante) e apresentar documentos como RG, CPF e o cartão do SUS no ato da inscrição. Após o preenchimento de uma ficha, também é necessário coletar 10 ml de sangue do doador. 

Vale ressaltar que quem já possui registro no Redome não precisa fazer o cadastro novamente, pois ele tem validade nacional e não possui vencimento. 

Exemplo 

O primeiro cadastro realizado pelos técnicos do Hemocentro de Fernandópolis, nesta manhã, com a colaboração de docentes e alunos do curso de Enfermagem da UNIFEV, foi o do morador de Valentim Gentil, Sérgio Ricardo da Ponte, 40 anos, e o de sua mulher, Silvana Granjeiro da Silva Ponte, 33 anos. 

O casal, que ficou sabendo da campanha pela televisão, disse que acompanha o drama da família desde o início do ano. “Ficamos muito sensibilizados com a história da criança, porque também temos três filhos e nos colocamos no lugar desses pais. Já que pra gente é mais difícil ir para Fernandópolis, fizemos questão de não perder a oportunidade de nos inscrevermos aqui na UNIFEV”, contou Sérgio. 

Ele, que tem a mesma profissão que o pai de João Pedro (o vigilante Cláudio Azevedo), mas está desempregado no momento, disse que ficaria muito feliz se pudesse doar a sua medula óssea para o menino. “Quem sabe, com a nossa ajuda, o João Pedro não tenha um Natal mais feliz”, brincou. 

Caso 

O caso do garoto, que vive em Fernandópolis, já é bastante conhecido na região, em razão das inúmeras ações desenvolvidas por familiares e amigos, na tentativa de encontrar um “herói” para ele. 

Embora o quadro clínico de João Pedro seja considerado estável no momento, os pais correm contra o tempo em busca de um doador cuja medula óssea seja compatível com a do filho. 
Mais informações sobre a campanha pelo telefone: (17) 3405-9999, ramal: 956.


fonte>>http://www.regiaonoroeste.com/portal/materias.php?id=52686

Anvisa propõe novo teste de remédio contra câncer da medula óssea

Avançou a negociação entre a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e os representantes do laboratório responsável pelo pedido de liberação da substância lenalidomida, indicada para pacientes portadores de mieloma múltiplo, um tipo de câncer na medula óssea. A lenalidomida é um derivado da talidomida, introduzida no mercado brasileiro em 2004.
Com a intermediação do presidente da Comissão de Assuntos Sociais (CAS), senador Waldemir Moka (PMDB-MS), o diretor-presidente da Anvisa, Dirceu Barbano propôs a apresentação de um novo pedido para a liberação do medicamento.
O dirigente sugeriu a realização de um relatório de experimentação terapêutica para que a lenalidomida seja testada em pacientes que não tiveram resultados positivos em outros tratamentos contra o mieloma múltiplo. Ficou acertado que em um prazo de até dois meses um novo pedido será feito pelo laboratório.
A proposta surgiu em uma reunião, terça-feira (22), no gabinete de Moka, com a presença dos senadores Eduardo Suplicy (PT-SP), Ana Amélia (PP-RS) e Lídice da Mata (PSB-BA), além de representantes do Ministério Público da União e das entidades de combate ao mieloma múltiplo.
Moka argumentou que outros 78 países já usam o medicamento no tratamento da doença. “Uma substância pode complementar a outra no tratamento. As normas brasileiras estão impedindo que os pacientes tenham acesso ao medicamento”, defendeu o senador.
Segundo a Anvisa, os estudos apresentados não foram suficientes para a liberação do medicamento. Nos Estados Unidos, por exemplo, a lenalidomida teve o registro aprovado em 2005.
A Associação Brasileira de Linfoma e Leucemia (Abrale) encomendou neste ano um levantamento sobre a substância e os especialistas alegam que a lenalidomida tem a capacidade de atuar no sistema imunológico dos pacientes, aumentando a atividade das células. 

Portador de leucemia, Porthinhos recebe transplante de medula óssea

N/A

Portador de leucemia linfóide aguda, Porthos Martinez Silva Leite, o Porthinhos, de 13 anos, foi submetido nesta quarta-feira a um transplante de medula óssea, no Hospital Albert Einstein, em São Paulo. O jovem deverá ficar internado por cerca de um mês, para recuperação.

Para a família do garoto, que luta pela cura da doença, diagnosticada há três anos, o dia foi marcado por muita ansiedade e expectativa.

A cirurgia, que estava marcada para as 15 horas, só ocorreu por volta das 19 horas. Isso porque além de um atraso no hospital onde estava internado, Porthinhos teve febre, o que fez com o que o transplante fosse adiado até que estivesse em perfeitas condições.

Enquanto recebia a medula óssea por uma bolsa de sangue, Porthinhos agradeceu a todos que rezaram por ele. “Agora vou começar a mandar bem! Só quero agradecer por tudo o que fizeram por mim. Aprendi o sentido da palavra amizade. Seria muito mais difícil achar esse doador compatível, no meio do mundo todo, sem os amigos que tenho. Eles sempre estiveram ao meu lado”.

Gisele Martinez, que nem por um segundo saiu do lado do filho, comemorou aliviada mais essa conquista. Segundo ela, ver Porthinhos receber a medula foi “lindo demais”. “É conseguir ver milagre e ciência juntos. Nunca experimentei emoção maior. É como se ele estivesse nascendo mil vezes no mesmo dia”. * Com informações de Nathália de Alcantara 


fonte>>http://www.atribuna.com.br/cidades/portador-de-leucemia-porthinhos-recebe-transplante-de-medula-%C3%B3ssea-1.345631

Jornalista potiguar com leucemia precisa com urgência de doação de sangue

O jornalista potiguar João Paulo Nascimento de Sousa precisa com urgência de doação de sangue. Ele está internado no Hospital da Polícia Militar desde quando foi diagnosticado esta semana com Leucemia Aguda.  

João Paulo já iniciou o tratamento e a primeira etapa consiste na transfusão de sangue. Ele recebe sangue todos os dias e por isso, o banco precisa ser reposto.

Os doadores que tiverem sangue tipo O+, o mesmo do jornalista, podem realizar a doação no Hemocentro Dalton Cunha (Hemonorte) em nome de João Paulo Nascimento de Sousa. Doações de outros tipos de sangue também podem ser realizadas, já que a rede precisa repor o estoque constantemente.

A previsão é de que o jornalista inicie o tratamento quimioterápico na próxima semana. A equipe médica trabalha com a expectativa de que João Paulo não precise se submeter ao transplante de medula óssea, método necessário em muitos casos da doença.  

Requisitos básicos para doar sangue

- Estar bem de saúde.
- Ter entre 16 e 68 anos (incompletos) – jovens com 16 e 17 anos podem doar com autorização dos pais ou responsáveis legais.
- Pesar no mínimo 50 Kg.
- Não estar em jejum. Evitar apenas alimentos gordurosos nas 3 horas que antecedem a doação.
- Portar documento oficial de identidade com foto (identidade, carteira de trabalho, certificado de reservista ou carteira do conselho profissional).

Locais para doação


- Sede do Hemonorte - Av. Alexandrino de Alencar (próximo ao Parque das Dunas), das 07h às 18h;
- Posto de Coleta da Zona Norte - Complexo Cultural, Av. João Medeiros Filho, Potengi, das 08h às 17h;
- Unidade móvel – Av. Marechal Deodoro da Fonseca (em frente à Catedral), Centro, das 8h às 12h e das 13h às 17h.

Mais informações pelo telefone do Hemonorte: (84) 3232-6701

fonte>>http://tribunadonorte.com.br/noticia/jornalista-potiguar-com-leucemia-precisa-com-urgencia-de-doacao-de-sangue/264779

Projeto de vereador incentiva doação de sangue entre servidores municipais



Tramita na Câmara Municipal de Porto Velho, projeto de lei apresentado pelo vereador Léo Moraes (PTB), que institui o Programa de Incentivo à doação de Sangue entre Servidores Municipais.
Pela matéria, o Município promoverá campanhas de estímulo à doação de sangue no âmbito de suas secretarias, autarquias e fundações para divulgar e esclarecer a todos os servidores com finalidade de estimular a doação de sangue.
De acordo com o texto, o servidor público municipal que doar sangue de forma voluntária e regular, terá folga de um dia do serviço a cada doação. As normas técnicas em hemoterapia de Proteção do Doador estabelecem que homens podem fazer até quatro doações ao ano, enquanto mulheres até três vezes ao longo de doze meses.
Ao justificar a sua proposta, o líder do PTB no Legislativo Municipal argumentou que apesar da importância da doação de sangue para a saúde pública, ainda é pouco o número de doadores. “Em muitas situações, uma simples transfusão de sangue pode ser a diferença entre a vida e a morte”, frisou o petebista.
Com a apresentação dessa propositura, Léo Moraes que garantir uma doação continua, tendo em vista a fidelização que poderá ter entre o doador e a instituição responsável pela coleta. “Doar sangue é um ato de solidariedade e de cidadania”, resumiu ele, ressaltando que trata – se de um procedimento simples, rápido, seguro e sigiloso.

Hospital Metropolitano fará campanha para coleta de sangue e medula óssea

Data:30/10/2013 às 08:00
Expiração:31/10/2013 17:00:00
Local:Estacionamento do Hospital Metropolitano de Urgência e Emergência
Endereço:Rodovia BR-316, KM-03
Contatos:Daniel Aires – 8814 1446 // Raul Kós - 9639 6202
O Hospital Metropolitano de Urgência e Emergência realizará, nos próximos dias 30 e 31, a V Campanha de Captação de Sangue e Medula Óssea. O objetivo é colaborar para a manutenção do estoque de sangue da Fundação Hemopa, e aumentar o número de doadores de medula óssea no Estado. A meta é conseguir 200 bolsas de sangue e cadastrar 100 doadores de medula óssea.
O Metropolitano é hoje referência no atendimento a pacientes politraumatizados e grandes queimados, realizando uma média de 500 transfusões/mês. A campanha também visa ampliar o cadastro de doadores de medula óssea, permitindo aos portadores de doenças hematológicas uma maior chance de obter doador e, consequentemente, a realização do transplante de medula, que pode representar a cura de algumas doenças.
Para que essas metas sejam alcançadas, haverá um trabalho de sensibilização com os colaboradores, usuários e seus familiares quanto à importância e à necessidade de doar sangue e medula óssea, o que será feito nos dias que antecedem a campanha. Os candidatos à doação devem comparecer com documento de identidade oficial, estar alimentados, ter entre 18 e 67 anos, pesar 50 kg ou mais e estar saudável.

Hospital Metropolitano faz campanha para coleta de sangue e medula óssea

Hospital Metropolitano, em Ananindeua, incentiva doação de órgãos. (Foto: Cláudio Santos / Agência Pará)
O Hospital Metropolitano de Urgência e Emergência, em Ananindeua, realizará nos próximos dias 30 e 31 a V Campanha de Captação de Sangue e Medula Óssea. O objetivo é colaborar para a manutenção do estoque de sangue da Fundação Hemopa, e aumentar o número de doadores de medula óssea no Estado. A meta é conseguir 200 bolsas de sangue e cadastrar 100 doadores de medula óssea.
 A campanha também visa ampliar o cadastro de doadores de medula óssea, permitindo aos portadores de doenças hematológicas uma maior chance de obter doador e, consequentemente, a realização do transplante de medula, que pode representar a cura de algumas doenças.
Para que essas metas sejam alcançadas haverá um trabalho de sensibilização com os colaboradores, usuários e seus familiares quanto à importância e à necessidade de doar sangue e medula óssea, o que será feito nos dias que antecedem a campanha. Os candidatos à doação devem comparecer com documento de identidade oficial, estar alimentados, ter entre 18 e 67 anos, pesar 50 kg ou mais e estar saudável.
O Metropolitano é o hospital que recebe pacientes de alta e média complexidade, no atendimento a pacientes politraumatizados e grandes queimados, realizando uma média de 500 transfusões por mês.

quarta-feira, 23 de outubro de 2013

Hemocentro de Guarapuava solicita doação de sangue tipo 'O' negativo

Hemocentro de Guarapuava solicita doação de sangue tipo 'O' negativo. (Foto: Reprodução/RPC TV)

O hemocentro de Guarapuava, na região central do Paraná, convoca com urgência doadores para repor os estoques de sangue. Segundo a assistente social do Hemocentro, Maristela Sacks, o tipo sanguíneo mais requisitado é o “O” negativo.
De acordo com a assistente social, o estoque de sangue do tipo “O” negativo disponível precisou ser emprestado de hemocentros de outros municípios da região.
Para doar, é preciso ter entre 16 e 67 anos de idade, estar munido de um documento com foto, estar bem alimentado, não ter ingerido bebida alcoólica nas últimas 12 horas, pesar 50 quilos ou mais e ter dormido pelo seis horas nas últimas 24h que antecedem a coleta. Sacks alerta ainda que jovens de 16 e 17 anos precisam estar acompanhados dos pais ou responsáveis.
Também é recomendado que o doador evite alimentos gordurosos quatro horas antes da doação. Pessoas com quadro de gripe, febre, que tenham feito alguma cirurgia no último ano, grávidas ou mulheres que estejam amamentando não podem ser doadoras.
Serviço
O hemocentro fica na Rua Afonso Botelho, 134, no bairro Trianon. O horário de atendimento para a coleta é das 8h às 10h e das 13h30 às 17h30, de segunda-feira a sexta-feira. Outras informações sobre as doações podem ser obtidas através do telefone (42) 3622-2819.

Senado negocia liberação de remédio contra câncer da medula óssea

O presidente da Comissão de Assuntos Sociais (CAS), senador Waldemir Moka (PMDB-MS), anunciou que um grupo de senadores vai negociar com o diretor-presidente da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), Dirceu Barbano, a liberação no Brasil da substância lenalidomida, para tratamento do mieloma múltiplo, um dos tipos de câncer que atinge a medula óssea.

O anúncio foi feito após a audiência pública sobre o tema realizada nesta quinta-feira (17) pelo colegiado. “Consideramos a liberação urgente e essencial e já marcamos uma conversa com a direção da Anvisa para a próxima terça-feira”, informou o presidente. 

Por sugestão de Moka, será formado um grupo de trabalho com a participação das senadoras Ana Amélia (PP-RS), Lídice da Mata (PSB-BA), do senador Eduardo Suplicy (PT-SP) e de especialistas que estiveram na  audiência.

Os convidados alegaram que o uso da substância já é liberado em 78 países e o Brasil está em atraso no tratamento da doença. “Enquanto nos Estados Unidos já foram aprovados mais três novos medicamentos para tratar o mieloma, a agência brasileira faz uma análise equivocada. Estamos lutando contra o tempo”, alertou o hematologista Angelo Maiolino, do Comitê Científico Médico da Associação Brasileira de Linfoma e Leucemia (Abrale).

A talidomida, também usada para tratar as vítimas da doença, é encontrada no Sistema Único de Saúde (SUS), pelo preço mais barato, mas a lenalidomida foi reprovada pela Anvisa em 2005.

A senadora Ana Amélia, autora do requerimento para a realização do debate, lembrou que os pacientes estão importando o produto a um valor alto. “O remédio que poderia ser vendido no país por R$ 2 mil, tem um custo de até R$ 16 mil porque precisa ser importado. Enquanto isso, muitos pacientes morrem desse tipo de câncer”, ressaltou.

Laura Castanheiras, da Gerência Geral de Medicamentos da Anvisa, admitiu que a agência pode rever a decisão, mas um novo registro deverá se solicitado. “Há novos estudos que não foram considerados”, admitiu.

Atualmente no Brasil, os pacientes de mieloma múltiplo estão conseguindo o remédio por meio de decisões judiciais. A doença, que não tem cura, afeta a produção de glóbulos vermelhos e compromete o sistema de defesa do organismo.

Também participaram da audiência pública, representantes da Defensoria Pública da União, do Laboratório Zodiac Produtos Farmacêuticos e da International Myeloma Fundation Latin America. A Fundação Internacional entregou à agência um abaixo-assinado com mais de 20 mil assinaturas a favor da liberação da lenalidomida.

Círio da Conceição irá incentivar doação de sangue

Campanha será realizada entre 24 de novembro e 10 de dezembro (Foto: Reprodução/TV Tapajós)

O Círio da Conceição deste ano, que será realizado em novembro, em Santarém, oeste do Pará, irá incentivar a doação de sangue no município, abordando o tema “Com Maria, mulher de fé, doe sangue, doe vida”. A campanha inicia no dia 24 de novembro, data que ocorre a grande procissão, e termina dia 10 de dezembro.
“Nosso bispo teve essa ideia brilhante dentro daquilo que a gente está pregando em nossas liturgias de cada noite, em fazer durante a festa também, nas 17 noites, a campanha de doação de sangue”, informou o coordenador do Círio, Gilberto Dinelly.
A média de doações em Santarém é de 18 bolsas de sangue por dia, número considerado insuficiente, pois o hemocentro da cidade atende outros municípios da região oeste do Pará.
Segundo Dinelly, os detalhes sobre a campanha ainda serão definidos, mas a ideia é que  doação seja divulgada com distribuição de panfletos na orla da cidade e que haja um estande na Praça da Matriz para cadastrar os doadores.

A festividade da padroeira dos católicos santarenos será aberta oficialmente no dia 24 de novembro, com o 95º Círio da Conceição. Este ano, a programação do Círio terá como novidade a romaria dos militares, reunindo integrantes da Polícia Militar, do Corpo de Bombeiros, do 8º Batalhão de Engenharia e Construção e da Capitania Fluvial.
Serviço
O Hemopa fica localizado na avenida Frei Vicente, bairro Aeroporto Velho, e funciona de 7h às 13h. Quem tiver entre 16 e 67 anos, não ingeriu bebida alcoólica, pesa acima de 50 quilos pode doar sangue. Para doar, não é necessário estar em jejum. O doador deve levar um documento original de identificação, com foto.
Homens podem doar até quatro vezes por ano e as mulheres podem doar até três vezes por ano. No momento da doação, são realizados exames de tipagem sanguínea, doenças sexualmente transmissíveis, hepatites, entre outros.

SUS poderá ter transplante de medula para portadores de anemia falciforme

Os sintomas da doença vão desde a anemia até o comprometimento da circulação do sangue, além de dores; hoje cirurgia é feita apenas experimentalmente

A partir do ano que vem, quem for portador de anemia falciforme e tiver indicação médica de transplante de medula óssea, poderá fazer o procedimento de graça pelo Sistema Único de Saúde (SUS). A notícia foi apresentada pela coordenadora do Sistema Nacional de Transplantes do Ministério da Saúde, Patrícia Gonçalves Freire, durante debate sobre saúde da população negra promovido pela Comissão de Seguridade Social e Família da Câmara.


Hoje, esse tipo de transplante só é feito experimentalmente. Elvis Silva Magalhães foi uma dosbeneficiados. "Convivi com a doença falciforme durante 38 anos, sei tudo o que uma pessoa com essa doença sofre. A gente nasce já consciente do que é dor. Sofremos durante toda a nossa vida com úlceras de região de tornozelo que não cicatrizam, internações que nem dá para enumerar. Em 2005, fizeram meu transplante de medula óssea e minha vida foi mudada completamente. Deixei de ter olho amarelo, pele pálida, de sofrer preconceito por causa disso..."


Por causa dos bons resultados, já existe consenso no governo de que o transplante de medula óssea deve ser oferecido pelo SUS a quem tem doença falciforme.


Segundo Patrícia Freire, no entanto, as regras para a oferta da cirurgia devem ser colocadas em consulta pública em dezembro. A expectativa de atendimento, segundo a coordenadora, é que 100 pessoas sejam beneficiadas por ano com a cirurgia. "A população negra brasileira é maioria, a prevalência da anemia falciforme na população negra é muito grande. Não posso ter esse número com precisão, mas a gente acredita que pelo menos 100 pessoas por ano devam se beneficiar com essa indicação."


A representante da ONG Criola Maria Aparecida de Assis Patroclo reivindica que as especificidades dos negros sejam consideradas em todos os tratamentos de saúde. "É necessária uma revisão e uma conotação concreta e prática onde o negro adentra a nossa política de saúde em todas as suas dimensões. E não fazer um puxadinho dele, em uma política específica, restrita com orçamento piquititinho."


A doença falciforme é hereditária, caracteriza-se pela alteração dos glóbulos vermelhos do sangue, e atinge principalmente a população negra. Os sintomas vão desde a anemia até o comprometimento da circulação do sangue, além de dores. Como os portadores estão mais sujeitos a infecções, se não receberem tratamento adequado, podem até morrer. O Ministério da Saúde estima que cerca de 3.500 crianças nasçam todos os anos com a doença.

fonte>>http://cenariomt.com.br/noticia.asp?cod=322536&codDep=8

Campanha de coleta de sangue em São Pedro, SP, espera 120 doadores

São Pedro (SP) realiza campanha de doação de sangue (Foto: Daniella Oliveira / Prefeitura de São Pedro)

A Secretaria de Saúde e Desenvolvimento Social de São Pedro (SP) e o Hemonúcleo de Piracicaba realizam no próximo sábado (26) a terceira edição da "Campanha de Doação de Sangue 2013". A coleta será das 8h às 12h, na Unidade Mista e Integrada de Saúde (Umis), no bairro Recanto das Águas, em São Pedro. Segundo informação da Prefeitura são-pedrense são esperados cerca de 120 doadores.
O Hemonúcleo de Piracicaba tem uma demanda diária de 80 doações para abastecer unidades de saúde da região. Segundo a administração municipal de São Pedro, a participação da estância na campanha é fundamental porque pacientes locais também são atendidos com os estoques do centro de coleta piracicabano.

Para participar, o interessado deve ter entre 18 e 60 anos, não pode estar em jejum, mas precisa evitar alimentos gordurosos antes da doação. É recomendado ainda ter repousado ao menos seis horas na noite anterior e não pode ter ingerido bebida alcoólica no dia anterior. O peso indicado é de no mínimo 50 quilos e a pessoa não deve fumar ao menos duas horas antes.
Quem teve diagnóstico de hepatite após 10 anos de idade, mulheres grávidas ou em fase de amamentação, portadores de doenças crônicas, como diabéticos em tratamento, cardíacos graves ou epiléticos não podem doar. A restrição se estende também a pessoas com HIV, sífilis e doença de Chagas, usuários de drogas, quem fez exame endoscópico nos últimos seis meses ou homens e mulheres que tiveram relacionamentos sexuais com diversos parceiros nos últimos 12 meses.
Serviço
3ª Campanha de Doação de Sangue 2013
Sábado, 26 de outubro
Das 8h às 12h
Na Unidade Mista e Integrada de Saúde (Umis)
Informações: (19) 3481-1162 e (19) 3483-3241

Ícaro precisa de vc!


DOAÇÃO DE PLAQUETAS URGENTE.

O Carlos Eduardo da Silva encontra-se internado no Hospital Oswaldo Cruz(GAC) e está precisando de DOAÇÃO DE PLAQUETAS URGENTE.
Desde já agradeço!

Hospital Oswaldo Cruz R. Arnóbio Marques, 310 - Santo Amaro Recife - PE, 50100-130 (81) 3184-1200

quarta-feira, 16 de outubro de 2013

ROBERT RIBEIRO PRECISA DE VC!


Itabuna: Monadele precisa de sangue tipo o seu





Monadele Costa Ribeiro, estudante, está internada no Hospital São Lucas, em Itabuna e precisa de sangue de qualquer tipo. Qualquer pessoa doador de sangue pode ajudar. Basta se deslocar para o Banco de Sangue da Santa Casa de Misericórdia e doar em nome dela. A moça corre risco de morte.

URGENTE: Maurício Mafalda precisa de sangue




Mauricio Mafalda Medeiros, esta precisando  sangue! Vamos todos ajudar, doações no Hemonorte qualquer tipo sanguíneo, Mauricio está internado no hospital infantil Varela Santiago.

Avenida Almirante Alexandrino de Alencar, 1.800. Tirol. Natal/RN
Telefones: (84) 3232-6701

Ícaro precisa de vc!


"MICHELLE PRECISA DE VOCÊ"




"MICHELLE PRECISA DE VOCÊ"

Peço a vocês, meus amigos da página, se puder compartilhar eu agradeço, pois sua pagina e bem vista e tem credibilidade.

Eu sou tio dela e ela tem um filhinho para criar.
Desde já agradeço.

URGENTE!

Michelle Augusto Bernardo.
Teve um AVC (Acidente Vascular Cerebral) e está internada no hospital Beneficência Portuguesa em Santos.

Ela necessita urgentemente de doações de sangue de qualquer tipo, pois o sangue dela é muito fino e precisa de mais sangue para engrossá-lo.

Contamos com a compreensão e colaboração não somente de amigos e pessoas próximas, mas de todos em geral.


Humberto Santiago 

terça-feira, 8 de outubro de 2013

Circo irá 'doar alegria' em picadeiro no Hemoam

Atrações do circo estarão presentes em picadeiro montado no pátio do HEMOAM

Em parceria com a Fundação de Hematologia e Hemoterapia do Amazonas (Hemoam), o Mirage Circus promoverá nesta quarta-feira (9), a partir das 8h, um espetáculo circense no picadeiro que será montado dentro da instituição. O objetivo da campanha é conscientizar e dinamizar a doação de sangue no Estado, além de captar um maior número de pessoas para doação e também atrair novos doadores fixos.
Apesar de acontecer pela primeira vez em Manaus, a campanha existe há 15 anos e já passou por Estados como Pará, Ceará, Alagoas e Bahia. Segundo o diretor de marketing do circo, Sérgio Robattini, a ideia nasceu após um dos funcionários do lugar sofrer um acidente. “Tudo começou em Fortaleza. O nosso funcionário precisou de sangue e divulgamos a campanha através da mídia local. O sucesso foi enorme e por isso pensamos que poderíamos levar esse conceito para outras cidades”, explica.
No HemoamRobattini garante que o show será para todas as idades: “Costumo dizer que o circo atrai do netinho ao vovô. Levaremos ao picadeiro as nossas principais atrações, com palhaços, mágicos, dançarinas, equilibristas e malabaristas. Também terá pula-pula para as crianças, comidas e muito mais”.
Além de resgatar a arte circense e estimular a alimentação do estoque sanguíneo da Fundação, a campanha ainda criou uma "promoção" para aqueles que ainda têm algum tipo de medo em realizar a contribuição. As pessoas que doarem sangue no dia da campanha receberão um ingresso gratuito para o show de domingo (13), às 16h, como forma de estímulo ao ato.
Preconceito
A campanha alcança nas suas edições uma média de 500 bolsas de sangue. Apesar disso, Robattini conta que ainda existe certo preconceito em doar sangue. “As pessoas têm medo, acham que podem se viciar, que vão ficar menos saudáveis, isso não é verdade. O Hemoam está preparado pra receber a população e fazer da campanha um sucesso”, afirma.
O Hemoam fica localizado na avenida Constantino Nery, bairro Chapada, Zona Centro-Sul de Manaus. O espetáculo de domingo (13) acontecerá no Mirage Circus, na avenida Torquato Tapajós, ao lado da empresa Philips. Para mais informações: (92) 8165-4343 e pela página do circo.