quarta-feira, 23 de outubro de 2013

SUS poderá ter transplante de medula para portadores de anemia falciforme

Os sintomas da doença vão desde a anemia até o comprometimento da circulação do sangue, além de dores; hoje cirurgia é feita apenas experimentalmente

A partir do ano que vem, quem for portador de anemia falciforme e tiver indicação médica de transplante de medula óssea, poderá fazer o procedimento de graça pelo Sistema Único de Saúde (SUS). A notícia foi apresentada pela coordenadora do Sistema Nacional de Transplantes do Ministério da Saúde, Patrícia Gonçalves Freire, durante debate sobre saúde da população negra promovido pela Comissão de Seguridade Social e Família da Câmara.


Hoje, esse tipo de transplante só é feito experimentalmente. Elvis Silva Magalhães foi uma dosbeneficiados. "Convivi com a doença falciforme durante 38 anos, sei tudo o que uma pessoa com essa doença sofre. A gente nasce já consciente do que é dor. Sofremos durante toda a nossa vida com úlceras de região de tornozelo que não cicatrizam, internações que nem dá para enumerar. Em 2005, fizeram meu transplante de medula óssea e minha vida foi mudada completamente. Deixei de ter olho amarelo, pele pálida, de sofrer preconceito por causa disso..."


Por causa dos bons resultados, já existe consenso no governo de que o transplante de medula óssea deve ser oferecido pelo SUS a quem tem doença falciforme.


Segundo Patrícia Freire, no entanto, as regras para a oferta da cirurgia devem ser colocadas em consulta pública em dezembro. A expectativa de atendimento, segundo a coordenadora, é que 100 pessoas sejam beneficiadas por ano com a cirurgia. "A população negra brasileira é maioria, a prevalência da anemia falciforme na população negra é muito grande. Não posso ter esse número com precisão, mas a gente acredita que pelo menos 100 pessoas por ano devam se beneficiar com essa indicação."


A representante da ONG Criola Maria Aparecida de Assis Patroclo reivindica que as especificidades dos negros sejam consideradas em todos os tratamentos de saúde. "É necessária uma revisão e uma conotação concreta e prática onde o negro adentra a nossa política de saúde em todas as suas dimensões. E não fazer um puxadinho dele, em uma política específica, restrita com orçamento piquititinho."


A doença falciforme é hereditária, caracteriza-se pela alteração dos glóbulos vermelhos do sangue, e atinge principalmente a população negra. Os sintomas vão desde a anemia até o comprometimento da circulação do sangue, além de dores. Como os portadores estão mais sujeitos a infecções, se não receberem tratamento adequado, podem até morrer. O Ministério da Saúde estima que cerca de 3.500 crianças nasçam todos os anos com a doença.

fonte>>http://cenariomt.com.br/noticia.asp?cod=322536&codDep=8

Nenhum comentário:

Postar um comentário