terça-feira, 12 de agosto de 2014

Rondônia: Duas crianças precisam urgente de doador de medula óssea

Duas crianças de Rondônia precisam urgente de doador de medula óssea

Robert Ferreira da Silva tem seis anos, filho único, morador da cidade de Ji-Paraná, interior de Rondônia. Há quase um ano está em tratamento para vencer a leucemia. Agora, trava uma luta para encontrar um doador compatível e conseguir fazer o transplante de medula óssea. Assim como Robert, Lucas Pedrosa Maidana, de 12 anos, compartilha da mesma necessidade. O paciente vive na Capital, Porto Velho, e espera vencer um dos seus maiores desafios: o de encontrar uma medula e poder continuar lutando pela vida.

Quando o paciente precisa do transplante e nenhum familiar é compatível, como o caso dessas duas crianças rondonienses, o médico faz um cadastro no Registro Nacional de Receptores de Medula Óssea (REREME), um sistema criado pelo Instituto Nacional do Câncer (INCA), com o objetivo de agilizar a busca de um doador. 

O médico poderá acompanhar e até facilitar a busca de um possível doador compatível. Os familiares devem perguntar ao médico se o registro do paciente já foi feito no REREME e se o profissional tiver alguma dificuldade na hora do registro, basta enviar um e-mail para o rereme@inca.gov.br e receberá todo o apoio no processo.

É de extrema importância o paciente estar no REREME, só assim ele poderá ter chance de encontrar um doador que está no Registro Brasileiro de Doadores de Medula Óssea (REDOME), criado para registrar informações de possíveis doadores de medula. É para o REDOME que vão todas as informações básicas de identificação e especialidades, como características genéticas. Quando o paciente não encontrou um doador aparentado, é feito uma busca no REDOME para que possa encontrar um doador compatível e a doação seja feita.

Hoje na Oncopediatria do Hospital de Base, em Porto Velho, aproximadamente 40 pacientes, entre eles crianças e adolescentes, lutam para vencer a leucemia, sendo que duas necessitam em caráter de urgência do transplante de medula óssea para continuarem vivendo. A luta de Robert e Lucas é grande. A compatibilidade das células do receptor e doador, de acordo com dados do Inca, é uma em cem mil. 

O cenário pode ser mudado se houver um aumento no cadastro voluntário de medula óssea. Qualquer pessoa que tenha idade entre 18 e 54 anos pode ser um doador. O procedimento é simples. Basta procurar o hemocentro mais próximo, fazer o cadastro e não se esquecer de atualizá-lo caso mude de endereço ou telefone. 

O processo do cadastro é rápido. Primeiro você preenche um formulário, logo após é colhida uma pequena amostra de sangue, que passará por um exame de histocompatibilidade (HLA), que identificará as características genéticas que irão influenciar o transplante, para que depois seja incluso no cadastro.


Doação de Sangue 
Os pacientes que estão nessa luta precisam de sangue e plaquetas. Você pode ajudar doando sangue. A Unidade de Porto Velho precisa em caráter de urgências das tipagens O+/O-/ A-/B+/B-. Mais informações: 0800-642-5744

fonte>>http://www.rondoniadinamica.com/arquivo/rondonia-duas-criancas-precisam-urgente-de-doador-de-medula-ossea,74438.shtml

Nenhum comentário:

Postar um comentário